3 out 2001 - 21h28

Alessandro promete evolução

O lateral-direita Alessandro marcou um gol na vitória do Atlético sobre o Santa Cruz por 5 a 1 em Recife. Alex Mineiro errou o passe, mas Alessandro não desistiu da jogada, roubou a bola do lateral Teci, dentro da área, e chutou com muita potência para o gol adversário, não dando chances de defesa para o goleiro do Santa. Este é o primeiro gol do lateral atleticano neste ano.

Ontem, antes do jogo contra o Santa Cruz, a Furacao.com conversou com o jogador e ele já apostava em uma vitória: “Nós estamos aqui em Recife para conquistar mais uma vitória e voltar com os seis pontos para casa”. Confira a entrevista exclusiva com o lateral, direto da concentração atleticana em Recife:

O Atlético conseguiu um excelente resultado no Rio de Janeiro, contra o Botafogo. Agora a esperança da torcida é que o time consiga mais uma vitória fora de casa. É este o pensamento dos jogadores?
Sem dúvida. A nossa equipe jogou muito bem contra o Botafogo e conseguiu dominar a partida durante todo o segundo tempo. Nós estamos aqui em Recife para conquistar mais uma vitória e voltar com os seis pontos para casa.

O ambiente melhorou com a chegada do Geninho?
O ambiente com o Mário Sérgio não era ruim. Era muito bom. O que complicou foram aquelas declarações que ele deu quando foi demitido. Com o Geninho é tranqüilo. Ele vem passando toda a confiança desde que chegou, naquela partida contra a Portuguesa. Graças a Deus todo mundo vem fazendo o trabalho com seriedade.

As suas últimas exibições com a camisa do Atlético devolveram toda confiança e você voltou a apresentar aquele bom futebol de quando foi revelado pelo Antonio Lopes. A quem você atribui essa nova fase? O esquema do Mário Sérgio era confuso?
O Mário Sérgio pedia que eu jogasse mais no meio-campo, como um ala. Aquele setor era muito congestionado e eu não tinha liberdade para correr pela lateral, como é de meu costume. Eu também vinha passando por problemas particulares e não rendia o que a torcida esperava. Com o Geninho estou jogando na posição que gosto, que é na própria lateral. Com muito trabalho, eu estou conseguindo voltar a dar alegrias.

E a sua relação com a torcida do Atlético? Como você se sente em sair de campo às vezes vaiado e às vezes exaltado pelos torcedores?
É sempre assim. Os jogadores de futebol têm que se acostumar com isso. Claro que ninguém gosta de ser vaiado e xingado pelos torcedores, mas é bom receber o carinho que a nossa maravilhosa torcida dá para a gente.

A Seleção Brasileira está treinando no CT do Caju. Você não está se sentindo frustrado de não estar lá?
De maneira nenhuma. O professor Luiz Felipe deixou bem claro na última conversa que tivemos que o grupo da Seleção é de trinta e cinco jogadores. Eu fiquei um pouco magoado porque tinha esperanças de ser convocado depois daquela partida contra o Corinthians, mas infelizmente não aconteceu. Eu estou torcendo para quem está representando o Brasil conseguir os três pontos e a classificação.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…