14 nov 2001 - 0h30

Bate-Bola com Geraldo

O meia Geraldo chegou para compor a equipe do Atlético para o Campeonato Brasileiro. Desde que os jogos começaram o jogador, que veio do Vitória de Guimarães, mal chegou a ser relacionado para ficar no banco de reservas. Contra o Juventude, Geraldo fez sua estréia na equipe, além de uma defesa que impediu que o rubro-negro levasse seu terceiro gol em Caxias. Ontem, contra o Sport, o jogador novamente entrou em campo, na saída de Rogério Souza.

Furacao.com – Contra o Juventude, você jogou bem, mas a equipe perdeu. Desta vez você novamente supreendeu e a equipe acabou vencendo. Como tem sido esta sua estreia no Atlético?
Geraldo – Pra mim é uma alegria imensa levando em consideração o que eu passei aqui no Atlético neste início do campeonato. Cheguei com o intuito de jogar, colaborar e sentia que não estava participando. Mas não me entreguei, trabalhei sempre com seriedade, nunca critiquei alguém, sempre fui um bom companheiro para meus amigos e acho que por isso é que Deus está me ajudando. Entrei no jogo semana passada e a torcida reconheceu o meu valor e isso pra mim é importante. Hoje entrei e consegui ajudar meus companheiros a fazer o segundo gol. Estou muito feliz comigo mesmo, de saber que eu posso traçar meus objetivos porque tenho força para consegui-los.

Furacao.com – Explique como é o seu contrato. Até quando você fica aqui no clube?
Geraldo – Fiz um contrato de dois anos com o Atlético. Eu era dono do meu passe. Cedi 30% dele para o clube. Espero poder contribuir os dois anos que tenho e me dedicar mais ainda pra adquirir o respeito que tinha em Portugal, de 3 anos em meio, aqui no Atlético. Por isso que eu trabalho com essa seriedade.

Furacao.com – Esse seu trabalho pode ser comparado a de uma formiga que trabalha aos poucos e sempre?
Geraldo – Isso é importante. Acho que a gente tem que ir obtendo os espaços devagar. Quando eu cheguei já tinha o Adriano, depois veio o Souza. Temos o Rodriguinho, eu, que também posso jogar a lateral e no meio. Quero poder contribuir porque eles mereçem, já que me receberam com tanto carinho. Tem também esta torcida que é maravilhosa e me respeita muito.

Furacao.com – Sei que a família te apoia bastante, que eles querem te ver jogando. Isso é importante pra você?
Geraldo – Essas pessoas que conhecem o nosso futebol algumas vezes até criticam e fazem perguntas como: “Porque você ainda não jogou”. Eles não entendem o que está se passando aqui. O Atlético tem uma equipe muito boa, onde os atletas que entram mostram que tem condições, mas os 11 que também estão jogando estão muito bem. Então tem que respeitar o Geninho, somos companheiros, todos se respeitam. Essa cobrança da família é boa, porque a gente não deixa a peteca cair e continua lutando pelos objetivos.



Últimas Notícias

Notícias

Valeu, menino Rony!

Os olhos marejados não me deixavam apreciar o momento. A explosão em uma das maiores conquistas que já vivi, me faziam apenas ouvir um nome:…