21 nov 2001 - 20h07

Reservas de luxo do Furacão

Para disputar uma competição longa como o Campeonato Brasileiro, onde a equipe campeã entrará em campo 32 vezes, é preciso ter um elenco numeroso para enfrentar os obstáculos do percurso. A série de jogos, um time pode jogar três partidas no período de oito dias, as contusões e as suspensões por cartões são os maiores problemas enfrentados pelos técnicos.

“O campeonato é longo e o jogador acaba sofrendo contusões ou ficando fora por receber cartão”, explicou Rogério Corrêa.

Pensando desta forma, o Clube Atlético Paranaense colocou a disposição para disputada do Brasileiro um elenco numeroso e qualificado. Faltando duas rodadas para encerrara a fase de classificação, o rubro negro está colendo os frutos deste trabalho.

Há quatro rodadas a equipe atleticana conquistou uma das vagas para fase final e de quebra pode se dar ao luxo de poupar alguns titulares. Tudo isso devido aos jogadores do banco de reserva que toda vez que são chamados substituem à altura o dono da posição.

“Eu nunca trabalhei com 11 titulares. Eu tenho um grupo de jogadores titulares. Todos precisam está prontos para quando forem chamados corresponderem dentro de campo”, afirmou o técnico Geninho.

O maior exemplo deste processo é o zagueiro Igor. O jogador é o reserva de luxo do Atlético. Das 25 partidas disputadas pelo time, o zagueiro atuou de 17, sendo que em 13 integralmente.

Igor começou a competição no banco de reserva, mas logo na segunda rodada fez a estréia no Campeonato Brasileiro. Na rodada seguinte começou como titular e jogou uma série de seis partidas com a camisa rubro-negra. O “reserva” já disputou mais partidas de que o titular Rogério Corrêa e está igualado com Gustavo.

“Os quatro zagueiros (Nem, Gustavo, Rogério Corrêa e Igor) têm o mesmo entrosamento. Quando acontece de um ficar fora, o jogador que entra corresponde bem. A força do time continua a mesma”, disse Rogério Corrêa.

Atualmente, Igor está atuando como titular no lugar de Gustavo contundido. Fazem quatro rodadas que o zagueiro não sai do time e se depender do esforço e da vontade de ajudar, o técnico Geninho pode ficar tranqüilo.

“Estou trabalhando para ajudar a equipe toda vez que for necessário. Espero continuar jogando bem para conquistar as vitórias e chegar a final do campeonato”, explicou Igor.

Outro caso de reserva de luxo é o atacante Adauto. O jogador está sempre pronto para substituir um dos jogadores da dupla titular Kléber e Alex Mineiro. Adauto participou de 13 jogos do rubro-negro no Campeonato Brasileiro.

Porém, ao contrário do companheiro Igor, o atacante é na maioria das vezes solicitado para entrar ao longo do jogo. Foi assim em nove ocasiões. Em uma partida o atacante atuou em tempo integral e nas outras três começou como titular, mas foi substituído.

Adauto também é chamado de amuleto por alguns torcedores. Isso porque o atacante marcou três gols fundamentais para a campanha do Atlético. Contra o Internacional, Adauto foi responsável pelo gol de empate nos minutos finais de partida. Na partida frente ao Botafogo carioca, o atacante marcou a gol que deu um alívio para o time.

Recentemente contra o América Mineiro na Arena da Baixada, o jogador novamente balançou a rede adversária desempatando o jogo e garantindo os três pontos. Adauto sabe da qualidade os titulares, mas vai sempre que jogar tentar marcar gols.

“As chances estão aparecendo e eu estou marcando os gols necessários para ajudar o Atlético. Espero que essa fase continue”, disse o amuleto rubro-negro.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…