30 nov 2001 - 22h55

Remendo no Furacão

Após uma semana inteira quebrando a cabeça, o técnico Geninho definiu o time que vai enfrentar o Vitória no domingo. O Atlético entrará em campo com uma formação totalmente diferente, fruto dos nove desfalques sendo sete jogadores titulares.

Sem Kléber, Alex Mineiro, Adauto e Fabiano suspensos e com Nem, Gustavo, Rogério Corrêa, Souza e Rodrigo no Departamento Médico, o treinador atleticano precisou socorrer a equipe com jogador que há muito tempo não jogavam. É o caso do volante Bruno Reis que não joga desde a partida contra o América no dia 14 de outubro.

Apesar das mudanças em todos os setor, o Atlético viajou com o objetivo de conquistar a vitória para somar os três pontos. A delegação atleticana torce por um tropeço do xará mineiro para poder terminar a fase de classificação em segundo na tabela. Assim, tanto a partida das quartas-de-final, como da semifinal, seriam realizadas na Arena da Baixada diante da torcida.

“Apesar dos desfalques, o objetivo continua sendo a vitória para poder trazer o jogo da semifinal para dentro da Arena. Jogar junto da torcida é um ponto positivo a mais”, afirmou o treinador rubro-negro.

Para alcançar o objetivo traçado, Geninho escalou um time com três volantes e apenas um atacante de origem. Na zaga, o volante Cocito será improvisado na função que antes era de Nem. O jogador foi recuado para jogar de líbero e dar cobertura aos zagueiros Daniel e Igor. Assim, Pires atuará à frente do trio de zagueiros.

No meio campo, Bruno Reis será o companheiro de Kléberson, que retorna ao time após cumprir suspensão automática. Adriano será o jogador de ligação e ajudará Ilan a marcar os gols necessários.

Alessandro é outro que retorna. O jogador está recuperado da torção no tornozelo esquerdo que o deixou fora do jogo contra o Guarani. Na lateral esquerdo Ivan será o substituto de Fabiano.

“Optei por esta formação devido a consistência que dá ao time.Precisamos da vitória e vamos fazer de tudo para conseguir”, disse Geninho.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…