23 fev 2002 - 15h42

Atenção coxas: Luisinho Netto está de volta!

Marcar um gol em um clássico entre Atlético e Coritiba pode consagrar um jogador como ídolo da torcida e deixá-lo na história. Imagine então marcar nove gols em Atletibas. Esta é a marca do lateral direito Luisinho Netto. O jogador é o maior artilheiro do atual elenco rubro-negro quando está envolvido o maior clássico regional. Foram 11 partidas com a incrível marca de 9 gols.

A torcida guarda boas lembranças de Luisinho Netto. Em 2000 quando jogou no Atlético e era titular absoluto da posição foi campeão paranaense e artilheiro do time na Copa Libertadores da América. No final da temporada deixou a equipe rubro-negra para jogar no Cruzeiro. Tudo estava muito bem até romper o ligamento cruzado anterior do joelho direito. Uma cirurgia e sete meses de recuperação afastaram o atleta dos gramados.

“Foram sete meses muito difíceis. Fiquei parado somente realizando fisioterapia sem poder fazer o que mais gosto. Agora que estou recuperado espero voltar a jogar e dar alegria à torcida atleticana”, disse o lateral direito.

Totalmente recuperado da lesão, no início do ano Luisinho recebeu um voto de confiança da diretoria do clube e, principalmente, do técnico Geninho e foi integrado ao elenco que disputa a Copa Sul-Minas e a Libertadores. Mas, o grande desafio vai acontecer no próximo domingo. Sem Alessandro suspenso, Luisinho Netto será o responsável em vestir a camisa número dois e realizar as subidas para apoiar o ataque.

Mas, o jogador espera muito mais do confronto contra o Coritiba. Uma vitória seria a reabilitação do time dentro da competição. E, talvez marcar um gol, a coroação de tanto esforço para voltar a jogar futebol.

“Eu espero junto com o time conquistar um bom resultado e também mostrar um bom desempenho em campo. Marcar um gol será fruto do trabalho que venho realizando”, finalizou Luisinho.

Fonte: Assessoria do Clube Atlético Paranaense



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…