12 maio 2002 - 9h25

EM BUSCA DO TÍTULO

O Atlético entra em campo logo mais, na tarde deste domingo, em busca de seu segundo título em menos de seis meses. O Furacão perdeu o primeiro jogo da final da Copa Sul-Minas para o Cruzeiro por 2 x 1, mas tentará reveter a vantagem do adversário.

Uma vitória por um gol de diferença levará a decisão para os pênaltis. Para o Atlético levar o título logo depois dos 90 minutos, precisa vencer por uma diferença de no mínimo dois gols.

O técnico Geninho ainda não informou qual será a equipe titular. O time terá vários desfalques: Wellington Paulo, Fabiano, Cocito, Flávio Luís, Fabrício, Adauto e Dagoberto. Gustavo está com problemas médicos e fará testes no vestiário para saber se poderá jogar.

Caso Gustavo não jogue, a formação do Atlético é um mistério. Há quem diga que ele possa abandonar o esquema 3-5-2 e escalar Kléber, jogando com três atacantes. No entanto, a opção mais provável para substituir Gustavo é o zagueiro Altair.

Outra dúvida de Geninho é no meio-campo. Ele não sabe se começa o jogo com Reginaldo Vital ou Donizete Amorim. O primeiro tem entrado nos últimos jogos, mas Donizete leva vantagem por já ter jogado no Cruzeiro.

Confirmadas mesmo estão as presenças de Kleberson, Adriano, Ilan e Alex Mineiro. Nos pés desses atletas estão depositadas as maiores esperanças da torcida atleticana.

CRUZEIRO

Jéfferson; Cris, Marcelo Batatais e Luisão; Ruy, Fernando Miguel, Jorge Wágner, Jussiê e Sorín; Edílson e Fábio Júnior (Alessandro). Técnico: Marco Aurélio.

ATLÉTICO

Flávio; Alessandro, Gustavo (Altair ou Kléber), Rogério Corrêa, Igor e Ivan; Reginaldo Vital (Donizete Amorim), Kleberson e Adriano; Ilan e Alex Mineiro. Técnico: Geninho.

Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte

Horário: 15h55

Árbitro: Antônio Pereira da Silva (GO)



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…

Fala, Atleticano

Foi épico

Assim, como o jogo de Santiago contra a Universidad Católica, estará para sempre na memória de qualquer atlheticano… O que aconteceu ontem na Bolívia, também..…