23 maio 2002 - 22h16

ATÉ LOGO, AMIGO!

O técnico Geninho se despediu do Atlético e da imprensa curitibana com um grande jantar. Ele já está de malas prontas para Belo Horizonte, onde vai assumir o xará mineiro. Quem também se despediu oficialmente do clube foi Roberto Karam, que deixou a Relações Públicas do rubro-negro para se dedicar exclusivamente como corretor de imóveis.

Como treinador, Geninho conseguiu o título mais importante de sua carreira e ajudou a bordar uma estrela dourada na camisa do Atlético Paranaense pelo título brasileiro.

Ele assumiu o clube no dia 12 de setembro de 2001, após a demissão de Mário Sérgio. Quatro dias depois, ele estrearia com uma vitória por 3 a 1 sobre a Portuguesa, na 11.ª rodada do Campeonato Brasileiro e permaneceria invicto por 12 partidas.

No dia 23 de dezembro, o treinador comandou a maior façanha da história do Atlético. Após atuações brilhantes contra São Paulo e Fluminense, o Furacão venceu os dois confrontos finais contra o São Caetano e sagrou-se campeão do Brasil.

Veio o primeiro semestre de 2002 e a eliminação da Copa Libertadores balançou Geninho pela primeira vez.

No começo de maio, duas derrotas para o Cruzeiro na final da Copa Sul-Minas, sacudiram ainda mais o ambiente no rubro-negro, até que no dia 21 de maio o técnico comandou o seu último treino no Atlético. Horas depois, foi demitido. A diretoria atleticana alegou que o salário de Geninho, de R$ 88 mil, era mais alto do que o clube podia pagar.

Fica aqui, na Furacao.com, o reconhecimento pelos trabalhos de Geninho e de Karam. Os dois são profissionais que vão deixar saudades dentro do clube.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…