13 jul 2002 - 19h30

DESPEDIDA MELANCÓLICA

O Goiás venceu o Atlético por 3 a 2 em jogo realizado na noite deste sábado no estádio Castelão, em Fortaleza. Com o resultado, o rubro-negro foi eliminado com a pior campanha da Copa dos Campeões. Já o Goiás se classificou em segundo lugar, atrás apenas do Flamengo.

O Goiás foi melhor no primeiro tempo. O time dirigido por Edinho mostrou-se mais tranqüilo na partida e não partiu em busca da vitória de maneira desesperada, ao contrário do Atlético, que precisava vencer o jogo por dois gols de diferença. Contando com Evair e Danilo na armação, a equipe esmeraldina foi mais perigosa e criou várias chances com Zé Carlos e Araújo no ataque.

Foi Araújo o autor dos principais lances da primeira etapa. Logo aos 18 minutos, ele fez uma ótima jogada, mas Flávio fez grande defesa e evitou que o Atlético sofresse o gol. O rubro-negro melhorou a partir dos 30 minutos. Os jogadores se acalmaram e passaram a tocar mais a bola. A melhor chance ocorreu em lance criado por Dagoberto, mas Alex Mineiro chegou atrasado para completar.

Aos 35, o Atlético bobeou no sistema defensivo. O Goiás aproveitou a falha de marcação e Evair lançou Araújo com precisão. O atacante partiu em posição legal e ficou cara a cara com Flávio. Na saída do goleiro, o atacante do Goiás bateu com força e chutou no ângulo do goleiro atleticano, abrindo o marcador. No intervalo, o técnico Riva admitiu que o ataque atleticano esteve apático e disse que os atletas atleticanos ficaram muito distantes uns dos outros.

Porém, foi o Goiás quem marcou no segundo tempo. Aos 12 minutos, o lateral-esquerdo Marquinhos recebeu livre na esquerda e fez o cruzamento para a área. Rogério Corrêa tentou cortar de cabeça e mandou contra o próprio gol. Oito minutos depois, o Atlético teve a grande chance para diminuir. Kléber sofreu pênalti e Alex Mineiro foi encarregado da cobrança.

No entanto, o atacante atleticano bateu muito mal na bola e chutou muito forte, mandando muito acima do gol de Harlei. É a segunda vez consecutiva que Alex perde um pênalti, já que na partida contra o São Caetano ele também havia desperdiçado uma cobrança. O castigo para o Atlético não demorou. Aos 25 minutos, Neném cobrou escanteio na pequena área e o zagueiro Fábio subiu livre para cabecear, marcando o terceiro gol esmeraldino.

Aos 30, Rodrigo tabelou com Kléber, que bateu forte e obrigou Harlei a fazer uma boa defesa, espalmando para escanteio. Na cobrança, o próprio Kléber cabeceou bem e marcou o primeiro gol atleticano. Os jogadores rubro-negros sequer comemoram o gol, aumentando o sentimento de melancolia na despedida da equipe. Aos 38, o atacante Araújo ficou novamente livre no ataque, mas bateu para fora na saída de Flávio.

O Atlético marcou o segundo aos 47 minutos, já nos acréscimos, novamente através do artilheiro Kléber.



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…