8 set 2002 - 17h29

PODERÍAMOS TER VENCIDO

A partida começou quente no Urbano Caldeira, da mesma maneira que o Santos atacava o Atlético respondia nos contra-ataques. Foi num desses contra-ataques que aos 7 minutos o Furacão abriu o placar. Adriano fez boa jogada pela esquerda e cruzou forte para o meio da área santista. O jogador Canindé não conseguiu dominar a bola e mandou para o fundo das redes alvi-negras.

Mas foi só o Furacão sair na frente para o árbitro Alício Pena Júnior, de Minas Gerais, começar a distribuir cartões para os jogadores do Atlético. Em menos de 2 minutos, Cocito, Douglas e Alex Mineiro receberam o amarelo. O único cartão injusto foi o de Douglas, que mal tocou em Diego, mas a pressão da torcida fez com que Alicio advertisse o atleta atleticano.

Em seguida, Douglas cometeu falta violenta, recebeu seu segundo cartão amarelo e conseqüentemente o vermelho.

Mesmo com um a menos, o Atlético esteve perto de ampliar o placar. Aos 30 minutos Kleberson cruzou da direita e Kléber cabeceou por cima, perdendo uma ótima chance para marcar o segundo. Apesar do domínio santista no meio-campo, a equipe paulista não conseguia chegar com perigo ao gol de Flávio.

Na volta para a segunda etapa, o Santos voltou com tudo. Foi uma verdadeira pressão em cima do gol atleticano, tanto é que aos 8 minutos o time da casa realizou boa jogada dentro da área e empatou a partida com William, que havia entrado no lugar de Fabiano Souza.

O gol fez com que o Atlético recuasse e o Santos continuou pressionando em busca da virada. No entanto, o Furacão levava perigo ao gol santista nos contra-ataques. Num lance esporádico, Flávio voltou a sentir dores nas costas e Adriano Basso entrou em seu lugar. 

Aos 21 minutos Kléber perdeu um gol incrível cara a cara com o goleiro Júlio Sérgio. A jogada de Kléber resultou em escanteio. Na cobrança, a bola bateu na mão de Alberto e o árbitro não titubeou: pênalti para o Furacão. Kleberson cobrou e deixou o rubro-negro novamente em vantagem.

Mas tudo foi jogado por água abaixo logo em seguida. Os jogadores atleticanos ainda estavam comemorando o gol quando o Santos voltou a empatar com uma cabeçada de Alberto.

O Atlético, mesmo com um jogador a menos, continuou a levar perigo. Aos 35, na falha do zagueiro santista, Kléber perdeu outra boa chance cara a cara com o goleiro. Quem esteve mais perto de marcar o terceiro foi o Furacão, que tocava bem a bola no campo de ataque.

Porém, aos 44 minutos Alessandro cometeu pênalti em cima de Robinho. Diego bateu bem, mas Adriano Basso salvou o Atlético. Nos acréscimos Dagoberto ainda perdeu boa chance de dar a vitória ao Furacão.

Agora o Furacão viaja para o Rio de Janeiro, onde irá enfrentar o Flamengo, nesta quarta-feira.

FICHA TÉCNICA
Santos 2 x 2 Atlético
Estádio: Vila Belmiro, Santos
Público pagante: 14.200
Árbitro: Alicio Pena Júnior (MG)
Cartões amarelos: Alex Mineiro, Cocito, Kleberson, Alessandro, Rogério Corrêa (A), Alex, Alberto, Paulo Almeida, Adiel, Maurinho (S)
Cartões vermelhos: Douglas Silva (A); Pereira (S)
Gols: Canindé (contra), aos 7min do primeiro tempo; William, aos 8min; Kleberson, aos 24min e Alberto, aos 25min do segundo tempo

SANTOS: Júlio Sérgio; Maurinho, Alex, Pereira e Canindé (Adiel); Paulo Almeida, Fabiano Souza (William), Renato e Diego; Robinho e Alberto
técnico: Emerson Leão

ATLÉTICO: Flávio (Adriano); Alessandro, Rogério Corrêa, Igor e Fabiano; Douglas Silva, Cocito, Kléberson e Adriano; Kleber (Alan Bahia) e Alex Mineiro (Dagoberto)
Técnico: Valdir Espinosa

Foto interna: UOL



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…