10 set 2002 - 20h23

TERROR É O ATLÉTICO PARANAENSE

Vivemos hoje o primeiro ano da tragédia que abalou o mundo. Foi no dia 11 de setembro de 2001, que dois aviões se chocaram contra as torres gêmeas de Nova York e causaram o maior estrago já visto na história de um país. Mais de 5 mil civís mortos, incluindo crianças e mulheres, milhares de feridos e um país em estado de medo. O grande responsável vem do Oriente Médio. Osama bin Laden até hoje não foi capturado e já prometeu novos ataques aos Estados Unidos.

E hoje podemos assistir a mais um grande terror. Dessa vez no Brasil, mais precisamente no Rio de Janeiro. Não que bombas e explosões deixem mortos e feridos. O terrorismo brasileiro é uma força da natureza, é um Furacão. O Atlético Paranaense joga contra o Flamengo na esperança de sair do Maracanã com os três pontos e a liderança isolada.

O técnico Valdir Espinosa já definiu o time que enfrenta o rubro-negro carioca. Serão três substituições: Flávio, machucado, dá lugar para Adriano Basso. Alessandro e Douglas Silva, suspensos, saem para as entradas de Rogério Souza e Allan Bahia, respectivamente.

Rogério Corrêa e Kleberson, que eram dúvidas, estão confirmados para a partida das 20h30. É hoje, Atlético. É dia de mostrar, de novo, para o Brasil, que o Furacão é o melhor time deste campeonato. E que o 11 de setembro entre para a nossa história como uma data de alegria.

FLAMENGO x ATLÉTICO-PR

Data: 11/9/2002 (quarta-feira)
Local: Maracanã
Horário: 20h30
Juiz: Luciano Augusto de Almeida (Fifa-DF)
TV: Pay-per-view, ao vivo

Flamengo
Júlio César; Felipe Melo, André Bahia, André e Athirson; Jorginho, André Gomes, Fábio Baiano e Iranildo; Zé Carlos e Liédson.
Técnico: Evaristo de Macedo

Atlético-PR
Adriano Basso; Rogério Souza, Rogério Corrêa, Igor e Fabiano; Allan Bahia, Cocito, Kléberson e Adriano; Kleber e Alex Mineiro
Técnico: Valdir Espinosa



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…