16 out 2002 - 21h40

NA CORDA BAMBA

Não dá. Não adianta a Furacao.com fazer campanha de atleticanismo, tentar levantar a moral dos jogadores e comissão técnica. Ninguém sabe o que está acontecendo com o Furacão. No jogo desta quarta-feira foi a vez do Figueirense tirar 3 pontos do atual campeão brasileiro.

Gilson Nunes, que comandou quatro partidas e conquistou apenas dois pontos, soube deixar o rubro-negro como um amontoado dentro de campo. Só para o internauta ter uma idéia, Adriano estava jogando de zagueiro depois dos 30 minutos da segunda etapa.

O primeiro tempo começou com o Atlético pressionando. Só que o Figueirense foi mais competente e marcou aos 24 minutos. A defesa rubro-negra falhou e Tiago Gentil pôs o Figueira na frente.

Aos 32 minutos, o empate do Furacão: Adriano recebeu de Kléber, passou pela marcação e acertou um belo chute de fora da área. Depois disso, o time catarinense soube segurar o ataque atleticano e o primeiro tempo terminou em 1-1.

O intervalo – tempo que os treinadores tem para ajeitar os times – não serviu de nada para Gilson Nunes. Aos 6 minutos, Ígor chutou na trave. Paulo Sérgio pegou o rebote e colocou nas redes de Flávio: 2-1 para o Figueirense. Quatro minutos depois, o empate. Kléber tocou para Kleberson, que bateu forte, na entrada da área.

O time catarinense foi pra cima e marcou o terceiro numa cobrança de falta: Ígor passou pela bola e Tiago Gentil bateu no ângulo do gol de Flávio, fazendo o segundo dele na partida.

Depois disso, o que era cômico, virou um show de piadas. Cocito saiu para a entrada de Dagoberto. O meio campo atleticano ficou aberto e o Figueira só não marcou o quarto porque a sorte não quis. Kléber ainda teve tempo de ser expulso. Ele calçou o zagueiro catarinense e recebeu o vermelho.

É o quinto jogo seguido sem vitória do Atlético. No domingo o time enfrenta o Internacional, na Baixada. Fica a pergunta: você vai apoiar o time? Sinceramente, estamos cansados de palhaçada!



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…

Fala, Atleticano

Foi épico

Assim, como o jogo de Santiago contra a Universidad Católica, estará para sempre na memória de qualquer atlheticano… O que aconteceu ontem na Bolívia, também..…