16 nov 2002 - 17h59

DOSSIÊ: IVAN

O lateral-esquerdo Ivan Saraiva de Souza é uma das principais revelações recentes das categorias de base do Atlético. Nascido em Campinas, no interior de São Paulo, o jogador chegou ao Furacão em 2000 para atuar nos times de baixo. Sua habilidade e técnica definida chamaram a atenção dos profissionais rubro-negros, que logo o indicaram para formar no time profissional.

Ivan foi encontrando seu espaço no Atlético devagar. O primeiro passo foi ganhar a confiança da diretoria para ser o primeiro reserva de Fabiano, outro jovem talento revelado pelas categorias de base e que é titular absoluto.

Seu ano de estréia na equipe principal será marcante em sua carreira. Foi justamente em 2001, temporada histórica para o clube, que conquistou seu maior título até aqui: o Campeonato Brasileiro. Ivan teve as primeiras chances com Mário Sérgio, participando de jogos importantes como contra o São Paulo, ainda na primeira fase.

Porém, foi com a chegada de Geninho que Ivan se destacou e chamou a atenção da torcida. Ele substituiu Fabiano no jogo contra o Internacional, em Porto Alegre, e não decepcionou. De seus pés saíram cruzamentos precisos para dois dos quatro gols do Atlético (Nem e Adauto). A partida terminou empatada em 4 a 4 e Ivan se firmou de modo definitivo, tendo sido eleito um dos melhores em campo.

Neste ano, Ivan não teve muito o que comemorar. Além da má campanha do Atlético, o lateral ficou vários meses afastado dos gramados em função de uma contusão. Isso abriu oportunidade para que outros jogadores fossem testados no setor, casos de David, Fabrício e Evaldo. Porém, nenhum deles ganhou a confiança dos torcedores, o que reforça a importância de Ivan no elenco para 2003.

Fora de campo, sua principal característica é a timidez. Seus melhores amigos no clube são Kleberson, Igor e Fabiano, dentre outros. Os companheiros o chamam de Saraiva, seu sobrenome, fazendo brincadeira com o personagem cômico da televisão.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…