18 nov 2002 - 9h25

DOSSIÊ: A VEZ DE COCITO

Thiago Cocito iniciou sua carreira nas equipes de base do clube de sua
cidade, o Batatais Futebol Clube no ano de 1987 . Na categoria mirim,
sagrou-se campeão jogando contra a equipe do Botafogo Futebol Clube de
Ribeirão Preto, chamando a atenção de alguns dirigentes deste clube que
prontamente ofereceram a oportunidade ao promissor atleta.

Profissionalizou-se em 1995 e, em seu primeiro campeonato já conseguiu o
acesso da série A-2 para a série A-1 do Campeonato Paulista e, logo no ano
seguinte, ajudou o “PANTERA” a mostrar suas garras, elevando-o para a série
B do campeonato brasileiro. Desde o princípio destacou-se pela dedicação
dispensada nos treinamentos físicos e táticos, a qual era convertida em
resultados positivos nos jogos de todas as categorias em que atuou.

Assim, diante da boa forma física e técnica em que se encontrava,
apresentando um futebol de ótima marcação, conciliada a um bom passe, aliás,
marcas registradas sua, foi convocado para defender as honrosas cores verde
a amarela da nossa seleção canarinho, na categoria Sub-21, tendo conquistado
o título de campeão no torneio de Toulon (França).

Chegou no Atlético em 1998, juntamente com o zagueiro Gustavo e o atacante
Lucas. Curiosamente o Atlético trouxe Cocito para jogar e Gustavo e Lucas
para testes. Estes foram destaque e Cocito, com um problema de tendinite que
insistia em perseguí-lo, não foi tendo as chances necessárias. Somente em
2000 foi efetivado como titular e de lá pra cá foi ganhando credibilidade da
torcida pela garra demonstrada e pela disposição em campo, honrando a camisa
rubro negra.

Seu primeiro gol com a camisa atleticana foi no primeiro Atletiba do Torneio
Seletivo, que veio a ser conquistado pelo Atlético, na vitória por 4 X 1 no
Couto Pereira. Seu gol foi o de empate, um “petardo” do meio da rua, sem
chances para o goleiro alvi verde e abrindo caminho para a virada.

No Furacão, conquistou a Copa Paraná de 99, Torneio Seletivo para a
Libertadores de 99, O Tri-campeonato Paranaense nos anos de 2000, 2001 e
2002 (título inédito no Paraná) e, Campeonato Brasileiro de 2001.Participou
também da Copa Libertadores da América, nos anos de 2000 e 2002.



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…

Fala, Atleticano

Planejamento

Alguns equívocos sucederam a saída de Thiago Nunes da equipe principal, razão pela qual da queda brutal no desempenho em campo, este recuperado parcialmente para…