18 nov 2002 - 19h06

O DOSSIÊ DE DOUGLAS SILVA

Douglas Silva chegou ao Atlético há dois anos, junto com Alessandro. Os dois vieram do Rio de Janeiro, onde atuavam pelo Bangu. Enquanto Alessandro se destacou na Copa João Havelange, Douglas pouco jogou na competição. Em 2001, conseguiu a posição no meio campo e foi bicampeão paranaense.

Mesmo assim o volante não teve muitas oportunidades e no começo de 2002 foi emprestado para o Sport Recife. A situação foi parecida. Acabou dispensado do time nordestino e voltou para o Atlético disputar o Brasileiro.

No Campeonato, já sob comando de Mário Sérgio, Douglas foi afastado do elenco por indisciplina. De acordo com o treinador, o jogador estava abusando das noitadas e arrumando confusões com o restante do grupo.

Nem mesmo a saída de Mário Sérgio aliviou a barra do volante. Ele continuou afastado do grupo pelo técnico Geninho – que só voltou atrás de sua posição nas últimas rodadas, a pedido dos próprios jogadores . Em 2002 Douglas foi titular durante todo o segundo semestre.

Com muito vigor e algumas entradas desleais (como o lance em que chutou um jogador do Cruzeiro, na penúltima rodada), Douglas deixou o Atlético na mão em muitas partidas neste Brasileiro. O lateral Fabinho, do Paraná Clube, até registrou queixa na delegacia por uma agressão sofrida no Couto Pereira, quando Douglas o agrediu com um soco.

Saiba mais sobre Douglas Silva

Nascido no dia 15 de março de 1980, no Rio de Janeiro, Douglas começou a carreira no juvenil do Bangu. Aos 17 anos já chamava a atenção pela força nos chutes e pela boa marcação no meio de campo. Pela equipe carioca disputou competições importantes como o Campeonato Carioca e o Campeonato Brasileiro da série C.

Com boa velocidade e bom espírito de luta, Douglas Silva só peca pelo enorme número de faltas que faz durante a partida. Só no Campeonato Brasileiro deste ano, foi expulso 3 vezes (Santos, Paraná Clube e Cruzeiro).



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…