18 nov 2002 - 16h18

Opinião: “matando a saudade”

Há quanto tempo o torcedor rubro-negro não vibrava com uma goleada. Mesmo sendo
um jogo apenas para cumprir tabela, o Atlético demorou, mas reencontrou na
tarde de domingo o seu futebol alegre e envolvente.

A despedida de um campeonato tão melancólico e problemático para nós não
poderia ter sido melhor. O Furacão fez a sua parte e terminamos de cabeça
erguida.

Assim como é tão humilhante fazer o desfecho tomando quatro, é muito gostoso
selar a batalha fazendo quatro gols, em uma tarde inspirada do garoto Jadílson
e mais um show de bola de Adriano, o maestro rubro-negro.
Avante Furacão, somos realmente grandes guerreiros.
Parece que começou um novo tempo, e como é bom matar a saudade!

Rogério Andrade
colunas@furacao.com



Últimas Notícias

Opinião

Céu e inferno

Qual a semelhança entre Casemiro Mior, Flávio Lopes, Heriberto da Cunha, Ricardo Drubscky, Leandro Ávila e Fabiano Soares? E entre Geninho, Antonio Lopes, Paulo Cesar…