26 nov 2002 - 10h52

Opinião: “Flávio eternizado”

O apelido do Atlético, que empresta o nome a este site, é Furacão devido a campanha de 1949, quando o time venceu 11 das 12 partidas disputadas, fazendo uma média de 3,6 gols por partida, literalmente varrendo os adversários. O Atlético também se caracterizou pelas duplas infernais, que atormentavam as defesas, como Jackson & Cireno em 49, Sicupira & Nilson Borges nos anos 70, Washington & Assis nos anos 80, Oséas & Paulo Rink nos anos 90 e mais recentemente Kelly & Lucas e Kléber & Alex Mineiro. Ataques fulminantes que fizeram a alegria do torcedor.

E o que falar de nossos goleiros? Seguindo a máxima de que todo grande time começa por um grande goleiro, não podemos nos esquecer de Caju, a “Majestade do Arco”. Goleiro que só defendeu o Atlético e a Seleção Brasileira, deu vez a Laio, a “Fortaleza Voadora”. Passando por Picasso, tivemos em Roberto Costa , o “Mão de Anjo”, um grande ídolo e um dos grandes responsáveis pelo 3º lugar no Brasileiro de 1983. Depois veio Rafael, campeão e ídolo aqui e, que infelizmente, continuou jogando muito no time “deles”, ajudando no título de 1985.

Lembranças também tenho de Marolla, que se não era um grande goleiro, tinha a estrela de ser campeão, como foi em 1985, 88 e 90 e ser exímio pegador de penaltis. Depois dele, tivemos Ricardo Pinto, que enraizou-se tanto no Atlético, que até hoje está entre nós. Ídolo, líder de uma safra que iniciou a maior fase de conquistas atleticanas, Ricardo sofreu na pele, literalmente, o que é ser atleticano.

Mas sejamos justos. Flávio , ” O Pantera” foi o maior. Durante seus oito anos de clube, foi de uma conduta ilibada e de caráter inquestionável. O maior vencedor da história atleticana, com um total de 8 Títulos conquistados, incluindo a maior glória da história atleticana : o Campeonato Brasileiro de 2001.

Lutou contra o preconceito que cerca a posição, pois desde a Copa de 50, quando Barbosa foi crucificado, havia no ar uma certeza de que negro é atacante, goleiro tem que ser branco! Flávio lutou contra tudo isso, contra a ira da própria torcida, como na 1ª derrota na nova Baixada contra o Internacional, contra a inveja dos rivais “alemães” que o chamavam de macaco e por ser sucessor de um grande ídolo dentro do clube.

Nada mais justo que homenagear esse que, se na opinião de alguns pode não ter sido o maior goleiro da história atleticana, foi sem dúvida alguma, o maior vencedor. Flávio , caso não seja eternizado no Atlético, estará, com certeza eternizado na memória do torcedor atleticano.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Em defesa do título

Pouco mais de um ano depois de levantar a taça da Copa do Brasil, o Athletico retorna à competição no confronto pelas oitavas de final,…