30 nov 2002 - 19h03

DOSSIÊ JADILSON

Talvez o jogador que tenha encerrado da melhor forma a temporada de 2002 tenha sido o jovem atacante Jadilson, de 22 anos. Nascido em Recife – e torcedor do Sport em sua infância -, Jadilson Carlos da Silva começou a jogar futebol no Unibol Pernambuco Futebol Clube, fundado em 1996.

Em 2000, com somente 20 anos, um empresário o trouxe para o Atlético. Ele atuou nos Juniores, mas acabou não ficando em função do alto valor pedido por seu passe. No ano seguinte, foi para o Confiança, clube pelo qual conquistou o título de campeão sergipano.

Ainda em Sergipe, entrou na Justiça e conseguiu se o passe, ficando livre para negociar com outros clubes. No início deste ano, disputou o Campeonato Pernambucano pelo Petrolina e foi um dos principais artilheiros da competição. Isso foi o bastante para despertar a atenção do Atlético, que finalmente o contratou em definitivo, assinando com ele um contrato de cinco anos.

Sua estréia no time de cima não poderia ter sido melhor. Jadilson entrou no segundo tempo do amistoso contra o Figueirense e, em poucos minutos, marcou seu primeiro gol com a camisa rubro-negra. Aproveitando uma falha de um zagueiro, roubou a bola recuada e partiu para marcar o gol.

Porém, durante o Campeonato Brasileiro ele não teve a mesma sorte. Com a contusão de Ilan, assumiu o posto de quarta opção para o ataque, atrás de Kléber, Alex Mineiro e Dagoberto. Entrou em várias partidas, mas não balançou as redes adversárias.

No último jogo do campeonato, porém, a sorte voltou a sorrir para o pernambucano. Jadilson entrou no segundo tempo do jogo contra o Juventude e marcou três dos quatro gols do Furacão, deixando uma boa imagem para a torcida.

Entre os jogadores atleticanos, Jadilson possui vários apelidos. Um dos mais curiosos é “Valdo”, em alusão ao veterano jogador do Juventude. Segundo o próprio atacante, foi o meia Rodriguinho quem começou a chamá-lo de Valdo, na época em que ele utilizava um cabelo grande.

Jadilson deverá ser mantido no elenco atleticano, até porque seu contrato com o Atlético se encerra apenas em 2007. Porém, a torcida espera uma participação mais efetiva do atacante na próxima temporada, firmando-se como goleador da equipe.

Fotos: Lucimar do Carmo/Paraná-Online.



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…

Fala, Atleticano

Planejamento

Alguns equívocos sucederam a saída de Thiago Nunes da equipe principal, razão pela qual da queda brutal no desempenho em campo, este recuperado parcialmente para…