4 dez 2002 - 20h55

O DOSSIÊ DO ZAGUEIRO IGOR

Igor do Nascimento Soares começou a mostrar seu futebol no Atlético no primeiro semestre de 2000. O Clube disputava pela primeira vez a Taça Libertadores da América, após vencer a Seletiva de 1999. Com o calendário recheado, o Furacão, comandado por Vadão, passou a utilizar vários jogadores reservas para atuar nas partidas do Campeonato Estadual: surgia o “Ventania”. Dentre os jogadores que desta equipe participaram, Igor, ao lado de Fabiano e Cocito, foram os que mais teriam chances, posteriormente, na equipe principal.

A posição original deste paulista de 23 anos era a de cabeça-de-área, onde chegou a atuar pelas categorias de base do Ponta Grossa e do próprio Furacão. Com o tempo, identificou-se mais na posição de zagueiro. Quando Paulo César Carpegiani assumiu em 2001, passou a atuar como líbero, dentro do esquema 3-5-2. E foi na zaga que o jogador conquistou os títulos paranaenses de 2000, 2001 e 2002, além do Brasileiro do ano passado. Dentre os reservas do time Campeão Brasileiro, Igor foi o que mais entrou em campo.

Em 2002, suas oportunidades foram maiores, em razão da saída de Nem, das contusões de Gustavo, e do insucesso de Sílvio Criciúma. Ígor foi o jogador atleticano que mais atuou no ano, dentre reservas e titulares. Participou de 62, das 60 partidas disputadas pelo Clube. Um detalhe que chama a atenção é o de ter jogado as últimas 15 rodadas do Campeonato Brasileiro pendurado com dois cartões amarelos, mesmo atuando sempre na zaga e ficando de fora apenas da partida contra o Paysandu, por opção do então treinador Abel Braga.

O gol marcado pelo zagueiro contra o Cruzeiro, na goleada sofrida por 4 a 1, na despedida do Brasileirão deste ano, foi o centésimo do Atlético na temporada, e também o último do Furacão na competição. Nesta mesma partida, o jogador havia marcado um gol contra.



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…

Fala, Atleticano

Planejamento

Alguns equívocos sucederam a saída de Thiago Nunes da equipe principal, razão pela qual da queda brutal no desempenho em campo, este recuperado parcialmente para…

Fala, Atleticano

O pior Atletiba que eu vi

Olha, foi “tenso” assistir o Clássico… Sóbrio , ver o jogo, nem pensar… Jesus, que “Show de Horrores” !!!! Uma equipe, tentando jogar apesar de…