16 dez 2002 - 20h32

Opinião: ‘Em boas mãos’

Ontem, o Atlético deixou de ser o “atual campeão Brasileiro” para virar mais um, na galeria dos times que já conquistaram a competição. Deixamos de ser o Campeão Brasileiro por nossas próprias deficiências. Não tivemos eficiência e muito menos competência para manter o título.

Mas se a taça e o título não podiam mais ficar com a gente, que fique, pelo menos, com o time que jogou este ano um futebol parecido com o nosso. Um time que joga o futebol rápido, veloz, imprevisível. Que procura o gol a todo instante e não se cansa nem um segundo dessa procura.

O que Robinho, Diego e Alberto fizeram neste Campeonato Brasileiro não foi nada melhor ou diferente do que fizeram Souza, Kleberson, Adriano, Alex Mineiro e Kleber no ano passado. A estratégia de Leão foi a mesma de Geninho: pegar um time desconhecido, fazê-lo jogar o melhor de seu futebol, atacar sempre e se cuidar na defesa. A mesma filosofia vencedora de Geninho: “enquanto eles atacam, a gente defende. Quando a gente ataca, o problema é deles”.

Por isso, se o título de atual Campeão Brasileiro não servia mais ao Atlético, que fique com o jovem, atrevido, moleque time do Santos. Pelo menos eles mostraram que tiraram uma boa lição do Furacão de 2001: marcar gol e jogar bonito, para o ataque, é o que importa no futebol. Parabéns, Santos! A taça de Campeão Brasileiro, que era nossa até ontem, está em boas mãos!

Patrícia Bahr
colunas@furacao.com



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Vamos, Ó Meu Furacão…

O Athletico vive situação delicada no Brasileirão, na zona de rebaixamento. A equipe buscava reagir – eram oito jogos sem triunfos (três empates e cinco…

Copa do Brasil

Em defesa do título

Pouco mais de um ano depois de levantar a taça da Copa do Brasil, o Athletico retorna à competição no confronto pelas oitavas de final,…