22 dez 2002 - 16h42

PARABÉNS, CAMPEÃO BRASILEIRO

Há um ano o Atlético comemorava o título inédito de Campeão Brasileiro. Tudo começou no dia 02 de agosto, quando o Furacão venceu o Grêmio por 2-0 na Arena da Baixada.

O time encantou o país. As primeiras rodadas foram extraordinárias. As vitórias sobre Cruzeiro e Flamengo já davam idéia de que o time poderia erguer a taça. Só que depois de cinco rodadas sem vencer o técnico Mário Sérgio foi demitido. Geninho chegou e deixou o Atlético 12 partidas sem perder. Ele classificou o rubro-negro em segundo lugar para os play-offs.

Play offs que começaram com o Furacão passando por cima do São Paulo por 2-1, com gols de Kléber e Alex Mineiro. E foi Alex Mineiro quem também despachou o Fluminense. Ele fez os três gols na vitória de 3-2.

A primeira partida da final foi emocionante. No jogo contra o São Caetano, Arena da Baixada lotada e muita empolgação dos jogadores que souberam viram o placar depois de estar perdendo por 2-1. E foi a estrela de Alex Mineiro que brilhou de novo. Ele marcou mais três gols (o placar final foi 4-2) que deixou o Atlético com a vantagem de poder perder por um gol de diferença que mesmo assim o título seria rubro-negro.

E nem precisou ser utilizada essa vantagem. No dia 23 de dezembro de 2001, Alex tratou de fazer o oitavo gol dele nas quatro partidas decisivas. Clube Atlético Paranaense, Campeão Brasileiro.

Comemorações

A Confraria do Esquadrão da Torcida Atleticana – ETA – junto com o site Furacao.com e muitos colaboradores/torcedores, prepararam uma grande festa nesta segunda-feira.

Quem quiser comemorar o primeiro aniversário do título de Campeão Brasileiro, pode comparecer na Rua XV, no centro de Curitiba, à partir das 12h. Bolo, bexigas, papel picado e muito vermelho e preto agitarão a cidade.

Vista a sua camisa do Atlético, pendure a bandeira na janela e solte o grito de alegria. Já faz um ano, mas a alegria ainda continua.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…