25 jan 2003 - 15h21

GOLEADA NA ESTRÉIA

O Atlético iniciou sua participação no Campeonato Paranaense de 2003 com o pé direito. O time, que luta pelo tetracampeonato da competição, goleou o União Bandeirante por 4 a 1 e garantiu seus primeiros três pontos. Pela fórmula do Paranaense, os oito melhores clubes da primeira fase se classificam para as quartas-de-final.

O técnico Heriberto da Cunha escalou a mesma equipe que participou dos treinamentos contra Joinville e Iraty. A novidade foi o volante Cocito, que não havia enfrentado o Iraty, mas que começou jogando e foi o capitão atleticano.

Apesar de começar melhor, o rubro-negro só marcou o primeiro gol aos 33 minutos. Adriano, em cobrança de falta, deixou o Atlético em vantagem. Adriano não bateu tão forte na bola, mas a mandou com precisão na esquerda do goleiro Márcio, do União.

Para o segundo tempo, o Furacão voltou com uma novidade. Rodriguinho deixou o jogo para a entrada de William. Segundo Heriberto, Rodrigo e Adriano estavam atuando na mesma faixa do gramado, o que prejudicou a armação ofensiva da equipe.

Porém, a equipe caiu de produção. Os jogadores, talvez abalados com a chuva, perderam o interesse pela partida. O União percebeu a apatia atleticana e passou a pressionar. Em dois lances, o goleiro Cléber evitou o empate.

Aos 21 minutos, o time do interior marcou seu gol. O lateral-direito Toni bateu cruzado e igualou o marcador. Imediatamente, Heriberto sacou Ivan e colocou Fabrício em seu lugar. O Atlético acordou e partiu em busca da vitória.

Oito minutos depois, Fabrício chutou forte da entrada da área e marcou um golaço. Aos 43, Adriano recebeu dentro da área, atrapalhou-se com a bola, mas mesmo assim conseguiu chutar para marcar seu segundo gol no jogo. Aos 45, Ilan também fez o seu, chutando de dentro da área.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…

Fala, Atleticano

Foi épico

Assim, como o jogo de Santiago contra a Universidad Católica, estará para sempre na memória de qualquer atlheticano… O que aconteceu ontem na Bolívia, também..…