14 fev 2003 - 13h38

VADÃO VOLTA AO FURACÃO

A diretoria do Atlético agiu rápido. Um dia depois de anunciar a demissão de Heriberto da Cunha, o Atlético acertou a contratação de Oswaldo Alvarez, o Vadão, para substituí-lo.

Vadão é um velho conhecido da torcida rubro-negra. Sua carreira começou no início da década de 90, quando dirigiu o Mogi Mirim. Naquela ocasião, montou o time que ficou conhecido como “Carrossel Caipira” e que contava com jogadores como Rivaldo, Válber, Leto e Capone.

Apesar do grande sucesso do esquema 3-5-2, Vadão não foi contratado imediatamente por um grande clube. Sempre cnnsiderado pelo então comentarista Mário Sérgio (técnico do Furacão em 2001) o melhor treinador em atividade no país, Vadão dirigiu equipes do interior paulista, como o Guarani, antes de atingir destaque em uma equipe de ponta.

Esse momento ocorreu justamente em 1999, quando foi contratado pelo Atlético. A torcida encarou sua chegada com desconfiança, mas logo ele conquistou apoio. O time fez boa campanha no Campeonato Brasileiro e só não conseguiu a classificaçãoem virtude de um péssimo jogo contra o Botafogo, em Ribeirão Preto.

Terminou a primeira fase em 9° lugar e seguiu para disputar a Seletiva. Foi aí que Vadão e o Atlético deram as maiores alegrias à torcida. Depois de eliminar adversários como Portuguesa e São Paulo, o Atlético encarou o Cruzeiro na grande final. Os 3 a 0 do primeiro jogo, com três gols de Lucas, deixaram o time em uma posição confortável para o jogo contra o Cruzeiro.

Milhares de atleticanos foram a Belo Horizonte e não ficaram tristes nem com a derrota por 2 a 1: o resultado garantiu o clube na Libertadores da América de 2000, feito inédito na história atleticana.

Vadão foi mantido no cargo e conduziu o Atlético a uma brilhante campanha na primeira fase, terminando como a melhor equipe das Américas. Nas oitavas, uma inesperada desclassificação nos pênaltis contra o Atlético-MG encerrou o sonho rubro-negro naquele ano.

Depois disso, o Atlético ainda conquistou o título do Campeonato Paranaense de 2000, em uma brilhante jornada de Gustavo e cia. na final contra o rival Coritiba. Sob seu comando, o Atlético fez 73 partidas, sendo 39 vitórias, 17 empates e igual número de derrotas.

O sucesso do Atlético foi também o sucesso de Vadão. Convidado pelo Corinthians, transferiu-se ao clube de segunda maior torcida do país. Depois, foi para a Ponte Preta, onde permaneceu por vários meses, até o final do ano passado.

Se nos últimos meses o Atlético passou por seis treinadores, pode-se dizer que certamente em todas as trocas de comando o nome de Vadão foi especulado. Dono de um ótimo relacionamento com a torcida, Oswaldo Alvarez volta ao Atlético em um momento complicado. Não pode ser imputado a ele a pecha de salvador da pátria, mas ele carregará toda a esperança (e o apoio) da nação atleticana, que anseia por dias melhores.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…