21 mar 2003 - 16h01

Vadão quer usar Ilan como exemplo

O atacante Ilan já sentiu os dois lados da moeda em jogar num time com uma grande a apaixonada torcida. Das constantes vaias pela sua forma de atuar, demonstrando certa “sonolência” para os aplausos devido aos 2 gols marcados, e que ainda mantém o Atlético vivo na Copa do Brasil, bastaram 45 minutos.

O inverso ocorreu com o goleiro Diego, que sentiu a fúria da torcida pela primeira vez. Logo ele, a grande contratação para 2003 e que estava com moral alta junto à galera.

O treinador Vadão conversou com o elenco na reapresentação e tentou incutir na cabeça que todos estão no mesmo barco, seja para a salvação ou seja para se afundar. E usou o exemplo de Ilan, que disse ” que as vaias servem de estímulo pra gente tentar acertar sempre” para mostrar ao elenco que a mesma torcida que vaia, é a que aplaude.

Em outro momento, Vadão já afirmava que o time é maestro da torcida e que dependendo do que for feito dentro de campo, rebece-se o apupo ou o aplauso.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Freguês sempre volta…

O jogo de ontem na Baixada merecia torcida. Se não fosse a Pandemia, seguramente teríamos 30 mil pessoas na Arena. O Athetico jogou bem, principalmente…

Fala, Atleticano

O que será amanhã?

Vendo que o Athletico aguarda só o final do Campeonato Brasileiro.. Apesar de ter jogos ainda por realizar, a postura do time nas partidas, diz…

Fala, Atleticano

Acarajé pesado

Fomos para a Bahia, desfalcados enfrentar o time desesperado do Bahia, precisando ganhar para sair um pouco da “fila da Zona”… Fomos com LE improvisado,…