16 abr 2003 - 22h45

Dos males, o empate!

Pelo menos um ponto o Atlético conseguiu na noite de hoje contra o Figueirense. O empate em 1-1 contra os catarinenses deixa o rubro-negro na 15º colocação. O próximo adversário é o Fortaleza, no domingo, no Ceará.

O jog começou num bom ritmo e logo aos 6 minutos Kleberson perdeu uma grande chance de abrir o placar. O chute saiu fraco e o goleiro Edson Bastso não teve dificuldade em defender.

O Figueirense foi ao ataque aos 17 minutos. Bilú cobrou uma falta que passou perto do ângulo do goleiro Diego. Dez minutos depois Evair tocou para Roberto que dominou mal e desperdiçou. O Atlético acordou e voltou a pressionar. Ivan recebeu a bola dentro da área, pela esquerda, e chutou para o gol. A bola bateu na rede pelo lado de fora.

Aos 41 minutos Dagoberto arrancou pelo meio, tabelou com Ivan e tocou na saída de Edson Bastos para fazer o primeiro gol do jogo e quebrar uma série de mais de 50 dias sem marcar.

No segundo tempo as coisas pareciam tranqüilas para o Atlético. Bom toque de bola e boa movimentação do meio de campo. O Furacão pressionava e tentava o segundo gol quando levou o gol de empate.

Luiz Fernando, que havia entrado no lugar de Márcio Goiano na etapa final, deixou tudo igual aos 28 minutos numa cobrança de falta. Apesar da tentativa de ambas as equipes, a partida terminou sem mais gols.

4º Rodada – (16/04) – Figueirense 1 x 1 Atlético – Orlando Scarpelli
A: Wilson Luís Seneme (SP); CA: Marcinho, Danilo, Márcio Goiano, Leomar, Luciano Santos, Igor, Alessandro, Tiago e Selmir; CV: Ivan Izzo; G: Dagoberto, aos 41 do 1°; Luiz Fernando, aos 28 do 2°.

FIGUEIRENSE: Édson Bastos; Luciano Sorriso (Simplício), Márcio Goiano, Cléber e Émerson Ávila; Marcinho, Vágner Mancini (Luiz Fernando), Bilu e Danilo; Roberto (Jocimar) e Evair. T: Vágner Benazzi.

ATLÉTICO: Diego; Tiago, Igor e Rogério Corrêa; Alessandro, Leomar (Ricardinho), Luciano Santos, Kleberson e Ivan; Adriano e Dagoberto (Selmir).T: Vadão.


Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…