27 abr 2003 - 17h24

No peito, na raça…

O Atlético goleou o Criciúma por 5 a 2, de virada, em jogo realizado na tarde deste domingo na Arena da Baixada. O time chegou a estar perdendo por 2 a 0, mas se superou e marcou cinco gols, garantindo sua segunda vitória no Campeonato Brasileiro. Nesse único jogo, o Furacão marcou mais gols do que havia feito nas primeiras cinco partidas juntas.

Além disso, a vitória foi importante sob outros dois aspectos: primeiro, quebrou um jejum de quatro partidas sem vitória; depois, valeu três pontos importantes para o time escapar das posições finais da classificação.

O jogo começou nervoso, apesar de o Atlético iniciar com a iniciativa ofensiva. Ilan, Dagoberto e Kleberson tiveram boas chances nos primeiros dez minutos, mostrando que o rubro-negro estava disposto a acabar com a má imagem que ficou nos dois últimos jogos.

Aos 28 minutos, depois de algumas oportunidades atleticanas, o Criciúma foi a frente e marcou o primeiro gol. Depois de cruzamento da direita, a zaga falhou e Tico, livre no segundo pau, cabeceou para o fundo das redes. O gol fez o esquema atleticano desabar. No desespero, o time foi para o ataque e Luciano Santos cruzou errado. A bola, no entanto, bateu na parte superior do travessão, acendendo a torcida.

A motivação foi afetada quatro minutos depois. O jovem Juliano tentou desarmar Tico e o árbitro marcou pênalti em um choque normal entre os dois jogadores. O lateral Paulo Baier bateu bem e não deu chances para Diego, marcando o segundo gol catarinense.

Nesse momento do jogo, 32 minutos da primeira etapa, a situação parecia muito delicada. Se o Atlético perdesse o jogo, corria o risco de ficar na zona de rebaixamento, ocupando a penúltima colocação. Mesmo assim, os jogadores não desanimaram. Dez minutos depois, Kleberson chutou forte de fora da área e o goleiro Fabiano rebateu. Ilan aproveitou a sobra e mandou para o fundo das redes. No entanto, o árbitro anulou o gol alegando impedimento do atacante.

Logo depois, Dagoberto sofreu falta na área e o árbitro marcou outro pênalti, desta feita para o Atlético. Ilan bateu bem e descontou para o Atlético. No segundo tempo, o Atlético voltou com a mesma formação e disposto a igualar o marcador.

A situação parecia ter ficado difícil quando o zagueiro Rogério Corrêa foi expulso depois de cometer falta em Delmer, na entrada da área. Com um zagueiro a menos, Leomar foi recuado para atuar ao lado de Juliano.

Porém, o que se viu em campo foi justamente o contrário. O Atlético melhorou muito e conseguiu virar o jogo. Aos 14 minutos, Ilan cabeceou uma bola na trave e o rebote voltou nos pés do zagueiro Juliano. Ele bateu de primeira, no canto de Fabiano, empatando o jogo. O jogador chegou a passar mal de tanta emoção depois de marcar seu gol.

Dez minutos depois, o volante Luciano Santos pegou um rebote na entrada da área, ajeitou a bola e chutou forte, no canto direito do goleiro catarinense. Aos 36, Dagoberto cobrou falta com perfeição, no ângulo superior direito de Fabiano.

Depois do gol, Dagoberto deixou o campo para a entrada do jovem Fernandinho. E, aos 46, foi ele quem fechou o marcador com o gol mais bonito do jogo. O atacante robou uma bola no meio-campo, tocou para Kleberson e foi para o ataque. Recebeu novamente na entrada da área, deu um drible da vaca no zagueiro, driblou novamente o goleiro e chutou no meio das pernas do zagueiro que tentava proteger sua meta. Um gol lindo para encerrar o dia com chave de ouro.

Fotos: Paraná-Online

6º Rodada – (26/04) – Atlético 5 x 2 Criciúma – Arena da Baixada
A: Cléber Wellington Abade (SP); CA: Cametá, Cléber Gaúcho, Juniano e Adriano; CV: Rogério Corrêa; G: Tico, aos 28, Paulo Baier, aos 32 e Ilan, aos 42 do 1°; Juliano, aos 13, Luciano Santos, aos 24, Dagoberto, aos 36 e Fernandinho, aos 46 do 2°.

ATLÉTICO: Diego; Alessandro, Juliano, Rogério Corrêa e Ivan; Leomar, Luciano Santos, Kleberson e Adriano; Ilan (Alan Bahia) e Dagoberto (Fernandinho). T: Vadão.

CRICIÚMA: Fabiano; Paulo Baier, Cametá (Saulo), Luciano e Luciano Almeida; Cléber Gaúcho, Alonso (Guilherme), Juca (Paulo César) e Dejair; Tico e Delmer. T: Edson Gaúcho.


Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…