29 abr 2003 - 21h17

A volta do 3-5-2?

Finalmente o zagueiro Capone poderá fazer sua estréia com a camisa do Atlético. Contratado do Corinthians, o jogador chegou como grande esperança para dar estabilidade à zaga atleticana, mas só foi inscrito na CBF na semana passada.

É a segunda vez neste ano que Capone enfrenta problemas semelhantes. No final de 2002, ele se transferiu do Galatasaray para o Corinthians, mas o time paulista demorou várias semanas para regularizar sua documentação. O atraso foi tão grande que o zagueiro perdeu a chance de brigar por um posto no time e acabou deixando o Timão sem ter estreado com a camisa alvinegra.

No Atlético, o problema não parece ser assim tão sério. Ele poderia ter estreado já contra o Criciúma, mas por cautela a diretoria achou por bem não confiar na CBF e ele foi poupado. Agora, diante do Cruzeiro, o técnico Oswaldo Alvarez poderá contar com seu antigo capitão no Mogi Mirim, onde ambos trabalharam juntos há quase dez anos.

O treinador elogiou a aplicação tática de Capone, que sabe jogar muito bem na posição de líbero, ficando na sobra dos demais zagueiros. Sua escalação, aliada aos retornos de Igor e Tiago, é um indicativo de que o Atlético pode voltar a atuar no esquema 3-5-2, utilizado nos jogos contra o Figueirense e o Fortaleza. Contra o Tigre, o rubro-negro jogou no 4-4-2 apenas em razão da ausência de zagueiros suficientes para compor a linha de defesa.

Juliano

Apesar da boa estréia nos profissionais, o volante Juliano, que atuou improvisado na zaga, deverá ficar na reserva contra o Cruzeiro. Igor foi titular durante todos os jogos do Brasileiro e seu retorno à equipe é considerado natural pelo técnico Vadão. Tiago também havia conquistado a posição e só não atuou contra o Criciúma porque estava cumprindo suspensão.

Restante da equipe

Como a ausência de Rogério Corrêa será suprida pelos retornos de Igor e Tiago e a estréia de Capone, o único problema do Atlético está no meio-campo. Adriano, principal jogador da equipe, cumprirá suspensão automática em função de ter recebido o terceiro cartão amarelo.

As opções para substituí-lo são as seguintes: Rodriguinho, Fabrício e Ricardinho. Com a entrada do primeiro, o time assumiria uma postura um pouco menos agressiva, já que Rodriguinho não tem as características de atacante que Adriano possui. Fabrício seria a opção para mexer menos na estrutura do time, mas ele está com problemas médicos e não sabe se terá condições de jogo.

Por fim, existe a remota possibilidade de Vadão optar pela entrada de Ricardinho. Neste caso, o “Rei do Drible” se revezaria com Dagoberto na meia-cancha e no ataque, com o Atlético ficando bem agressivo.

Por enquanto, tudo é especulação. O time apenas será definido a partir dos treinamentos desta semana. Vadão testará diversas formações e escolherá aquela que melhor se apresentar para enfrentar o único time invicto do Brasileirão.

Foto: Arquivo Paraná-Online



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…