1 maio 2003 - 23h10

Quebra de jejum, Furacão?

Na tarde do dia 05 de agosto de 2001 o Atlético foi superior ao Cruzeiro e venceu a equipe mineira por 2-1. Aos 8′ do primeiro tempo, o zagueiro Nem abria o placar. Três minutos depois, Edmundo empatava.

A partida estava sendo realizada no Estádio Independência (América Mineiro), porque o gramado do Mineirão não reunia condições de jogo. Mais de 18 mil torcedores empurravam a raposa para cima do gol de Flávio, que fazia uma excelente apresentação.

No começo do segundo tempo, o volante Pires era expulso porque fez uma falta violenta. Com um homem a menos no gramado, o time atleticano não se acovardou e partia em contra ataque.

E foi aos 45′ do segundo tempo que Alex Mineiro, renegado pelo Cruzeiro, fazia um belo gol e definia o jogo. Era o primeiro dos 17 gols que Alex marcaria no brasileirão.

Hoje, sem Flávio, Nem e Alex Mineiro, o Atlético embarca a Minas para enfrentar uma das melhores equipes do Brasil. Dirigida pelo experiente Wanderley Luxemburgo, o Cruzeiro só não é líder do Campeonato porque o Internacional conseguiu, no STJD, os pontos da partida contra a Ponte Preta.

Além de enfrentar a grande massa cruzeirense que vai apoiar o time no Mineirão, o Atético vai ter que quebrar um jejum de dois anos sem vitória contra o time estrelado.

A última vitória paranaense aconteceu justamente em 2001. De lá para cá foram quatro jogos disputados, todos com vitórias cruzeirense:

2002 – Atlético 0 x 2 Cruzeiro
2002 – Atlético 1 x 2 Cruzeiro
2002 – Cruzeiro 1 x 0 Atlético
2002 – Cruzeiro 4 x 1 Atlético

Para que essa má fase vá embora, o técnico Vadão deve confirmar uma equipe defensiva, atuando no 3-5-2. Capone, Igor e Juliano seriam os zagueiros, Alessandro e Ivan os alas, Leomar, Luciano Santos e Kleberson no meio, Ilan e Dagoberto no ataque, além de Diego no gol.

A delegação do Atlético viaja nesta sexta-feira e vai treinar no CT Lanna Drummond, do América Mineiro, às 15h30.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…