5 maio 2003 - 19h32

Washington a caminho da Baixada

Desde que Kléber e Alex Mineiro partiram para o México, no final de 2002, o Atlético não conta com um centroavante, um goleador nato. Dagoberto e Ilan, seus substitutos, são jogadores de qualidades notáveis. O primeiro é uma das principais revelações do Furacão nos últimos anos e titular da Seleção Brasileira Sub-20. Já Ilan é um dos atacante mais habilidosos do futebol brasileiro e marcou gols importantes, como o primeiro na final do Brasileiro de 2001 contra o São Caetano.

Apesar disso, nem Ilan nem Dagoberto têm características de um autêntico camisa 9. Durante quatro meses, a torcida percebeu que o Atlético havia perdido a referência na área. As boas jogadas continuavam a ser feitas, mas faltava um atacante que estivesse sempre presente e, com senso de oportunismo, fizesse os gols de que o time precisa para conquistar as vitórias.


Washington vibra depois de marcar um gol pela Seleção.

Não foi só a torcida quem notou essa carência. O técnico Oswaldo Alvarez apelou e foi ouvido pela diretoria. Nesta terça-feira, desembarcará em Curitiba o atacante Washington Stecanela Cerqueira, de 28 anos. Ele fará testes e deverá assinar contrato com o clube ainda nesta semana.

Washington nasceu em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, mas começou sua carreira no Brasília. Depois, retornou à cidade natal para defender o Caxias. Vestindo a camisa grená, tornou-se ídolo da torcida e maior artilheiro da equipe, batendo o recorde que pertencia a Bebeto desde a década de 70.

Com o destaque obtido no Caxias, teve chances na dupla Gre-Nal, mas não conseguiu se firmar. Só voltou a obter sucesso em 99, quando foi emprestado ao Paraná Clube. Brilhou também com a camisa da Ponte Preta, clube onde viveu sua melhor fase e onde foi dirigido por Oswaldo Alvarez.

Em 2001, foi convocado para a Seleção Brasileira por Emerson Leão. Disputou a Copa das Confederações juntamente com o volante Leomar, que voltará a ser seu companheiro no Furacão. Sua qualidade fez com que voltasse a ser chamado para a Seleção também em 2002, por Luiz Felipe Scolari. Desta vez, foi colega de Kleberson.

No ano passado, a Ponte finalmente aceitou se defazer de seu maior ídolo e Washington foi negociado com o Fenerbahçe, da Turquia. Pelo clube turco, marcou muitos gols e também caiu nas graças da torcida. Com contrato até 2005, sua relação com a diretoria do Fenerbahçe começou a se deteriorar no final do ano passado, quando o atacante voltou a apresentar problemas cardíacos.

Washington foi operado e passou os primeiros meses deste ano em recuperação. No início de abril, a direção o procurou para acertar a redução de seu salário. Insatisfeito com o tratamento recebido, ele resolveu retornar ao Brasil. O Palmeiras também pretendia sua contratação, mas seu procurador Gilmar Rinaldi deu preferência ao Atlético.

Os problemas cardíacos de Washington são decorrentes do diabetes, que ele é portador desde os 6 anos. Ele garante que isso não atrapalha sua carreira. As aplicações de insulina são feitas pelo próprio Washington e há um acompanhamento médico constante. Ao menos os números do artilheiro mostram que, de fato, não houve qualquer interferência negativa em seu desempenho.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…