8 maio 2003 - 11h25

Opinião: “A dura vida do goleiro”

É impressionante a facilidade que se tem para criticar um goleiro. Se a falha é clara, a crítica é certa e incisiva. Mas mesmo quando a falha é questionável, ou ainda, quando sequer há falha, muitos torcedores conseguem ver um jeito para que o goleiro pudesse ter alcançado aquela bola, ou simplesmente lançasm as críticas sem justificativas concretas, quando o time sofre uma goleada.

Para o goleiro, a linha que separa a glória e o fracasso é muito tênue, é bem difícil permanecer nela. E também é muito difícil reverter um quadro durante o jogo. Se o centroavante perde um gol feito, pode marcar na sequência e apagar a má impressão, mas muito dificilmente um goleiro tem a oportunidade de se reabilitar, como fez Fábio Costa, do Santos, na noite de ontem. E o pior – para os goleiros – é que comentaristas e torcedores tendem a puxar o jogador sempre para baixo.

Uma das coisas mais injustas é a crítica sem critério. Principalmente para se avaliar um lance de goleiro, é preciso conhecimento técnico para julgar qualquer culpa. É o que se pode dizer do último jogo. Diego não cometeu falha em nenhum dos cinco lances, e ainda assim conseguiram lembrar do rapaz na hora das críticas.

Parece-me que a má vontade da crônica e dos torcedores com Diego é maior do que o normal. Mas o curioso é que as atuações do jogador não deixam em nada a desejar em relação ao ex-ídolo Flávio. Talvez por este haver sido tenha mandando embora em boa fase, razão pela qual a torcida estaria exigindo que o substituto atue muito melhor do que ele.

Pessoalmente acho que Diego vem apresentando o mesmo nível de Flávio. Falhou visivelmente em uma bola solta na área contra o Sport e no gol de falta (que, aliás, sabidamente não era especialidade de Flávio) sofrido contra o Fortaleza. E só. Nada fora do normal, e penso ainda que temos a ganhar, a longo prazo, com a sua contratação. Pois Diego tem personalidade como poucos jogadores no futebol brasileiro, conforme demonstrou em sua participação de ontem no Programa Tribuna no Esporte.

Em pauta, no Programa, o episódio envolvendo um ridículo repórter esportivo mineiro, que, em uma brincadeira que talvez só a sua mesquinhez tenha sido capaz de entender a graça, conseguiu elogios e dedicatórias do goleiro para o jogador Alex. Pois Diego foi ao programa, fazendo pouco caso do assunto (que realmente é um assunto que não merece maior atenção) e ainda rebateu as críticas de todos os lados. Poucas vezes vi um atleta fazer isso: dizer, sem medo, na frente do crítico, que não gostou de tal declaração, e, o principal, apresentar suas razões para desfazer aquela impressão.

Alguns podem achar que é “marketing”. Mas eu vejo em Diego uma grande pessoa, de fibra, que não tem medo de obstáculos, de críticas, e, principalmente, que não gosta de perder. Acho brilhante a sua atitude: se acha que não falhou, defende seu ponto de vista até o fim, assim como defende os colegas de Clube. Nosso goleiro não é do tipo de jogador que digere com facilidade uma derrota ou uma falha. Ele fica incomodado, remoendo, assistindo os programas esportivos para acompanhar as repercussões, como todo profissional deve fazer, e assim buscar a perfeição em seu posto.

Posso estar enganado, mas vejo para Diego um grande futuro no Atlético. Acho que ao menos a torcida tinha que ter um comportamento melhor, em favor do atleta, o que trará, como consequência, benefícios ao Clube, que pode ganhar até mesmo um líder em campo.

Ibest

Aproveito o ensejo a agradecer a todos atleticanos pelos votos para o Ibest. A Furacao.com, por intermédio de vocês, mais uma vez elevou o nome do Atlético na mídia nacional. Um site independente, desprofissionalizado, sem fins lucrativos, batendo de frente e ganhando espaço entre os grandes portais da internet brasileira. Só a paixão rubronegra é capaz de tal feito!

Ricardo Campelo
colunas@furacao.com



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…

Fala, Atleticano

Planejamento

Alguns equívocos sucederam a saída de Thiago Nunes da equipe principal, razão pela qual da queda brutal no desempenho em campo, este recuperado parcialmente para…