20 maio 2003 - 22h41

CBF pára com o Brasileirão

A Confederação Brasileira de Futebol suspendeu no fim da tarde desta terça-feira, todas as rodadas do Campeoanto Nacional. A alegação da entidade é a de que o Clube dos 13, órgão que representa os maiores clubes de futebol do Brasil, acha inviável cumprir o Estatuto do Torcedor, sancionado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e publicado em Diário Oficial, na última sexta-feira.

A cúpula da CBF esteve reunida com representantes do Atlético PR, Flamengo, Grêmio, Fluminense, Vasco, Grêmio, Cruzeiro e Santos, além dos presidentes das federações de futebol de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

O presidente do Clube dos 13, Fábio Koff, disse que há dispostivos inviáveis na lei: “existe coisas impossíveis de serem cumpridas. Enquanto os clubes não puderem cumprir esses dispositivos, não há campeonato. Está suspenso”.

A CBF e os clubes alegam que precisam de mais tempo para se adaptar às leis sancionadas no Estatuto do Torcedor. O descumprimento das novas medidas implicaria ações judiciais contra clubes, federações e a própria CBF.

Presente na reunião na CBF, o presidente do Grêmio, Flávio Obino, disse que todos os clubes consultados – foram 10, ao todo -, optaram por paralisar o campeonato até que seja tomada uma medida jurídica capaz de ampliar o prazo a adequação em relação às novas regras.”Para não infringirmos o estatuto, acabamos interrompendo o seu objeto, que é exatamente o Brasileirão”, afirmou o dirigente à Rádio Gaúcha.

Entre os outros pontos que os clubes dizem não ter condições de cumprir são colocar assentos e numerar arquibancadas e o que prevê que os dirigentes sejam responsabilizados por tumultos dentro ou em áreas próximas dos estádios.

Fala, Ministro

O ministro dos Esportes, Agnelo Queiroz, disse que está aberto para conversas. E que os clubes terão seis meses para se adaptarem às principais mudanças nas leis. “Eles serão os maiores beneficiados, porque o público voltará mais aos estádios. Será uma nova renda”, afirmou.

“Fiquei surpreso com a decisão. Mantemos uma postura de diálogo. É uma lei moderna e que dará transparência ao esporte e que passou pela Câmara de forma consensual”, falou, em entrevista a Wanderley Nogueira, ainda na noite desta terça. “Espero que nas próximas horas haja esclarecimento para que isto (a paralisação do Brasileiro) não ocorra. E espero que seja mais desinformação que um confronto”, emendou Queiroz.

Em entrevista para a TV Globo o ministro falou que a “lei precisa ser cumprida”. “A lei é bem equilibrada e foi discutida durante meses por toda a sociedade”.

Furacao.com, com informações do UOL e do TERRA Esportes



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…