22 maio 2003 - 0h05

22/05/1994: inauguração da Baixada

22 de maio de 1994 foi o último dia em que a torcida do Atlético suportou o estádio Pinheirão. Após sete anos, onze meses e oito dias longe de casa, o rubro-negro finalmente voltaria a ‘morar’ no Água Verde. Três anos após a reinauguração da Baixada, o Atlético resolveu, de novo, demolir o antigo Joaquim Américo e construir a Arena da Baixada, estádio mais moderno da América Latina.

Hoje, quase um década depois, voltamos a 1994. O sábado amanheceu ensolarado na capital paranaense. Quem passasse pelos bairros de Curitiba já poderia notar que a cidade se enfeitara para receber de braços abertos o mais novo campo de futebol do Atlético.

Sem ganhar nenhum título desde 1990, o Furacão possuía – e ainda possui – a torcida mais apaixonada do Estado. Prova disso foram as enormes filas para compra de ingresso da reinauguração da Baixada. O adversário seria o Flamengo, das estrelas Nélio, Valdeir e Sávio. O Atlético era um time limitado, que tinha João Carlos Cavalo como principal candidato a ídolo da torcida. É claro que ele e o outos não empolgavam, mas o torcedor se enganava na esperança de que, alguma hora, um raio caísse na cabeça daquele elenco e transformasse os atletas em jogadores de seleção. O raio nunca caiu…

Mesmo assim, a torcida foi confiante, naquele domingo, para a novíssima Baixada. Não importava quem estava vestindo a camisa do Atlético; importava, sim, ver de novo o velho pinheiro no gol dos fundos, a curva da laranja e as cadeiras apelidadas de Farinhacão (uma homenagem ao presidente José Carlos Farinhaque, que reconstruiu o estádio e o entregou para Hussein Zraik inaugurar).

Uma hora e meia antes do jogo começar, centenas de crianças vestindo o manto vermelho e preto paranaense desfilavam pelo gramado cantando o hino do Furacão. O cenário já estava pronto.

O Atlético com o tradicional rubro-negro e o Flamengo vestindo o uniforme número dois começavam a duelar pelo troféu “Volta à Baixada”. No primeiro tempo foram poucas as chances de gol. O Atlético, apático, ainda não tinha encarnado o espírito do novo estádio.

Nem mesmo João Carlos Cavalo, que durante toda a semana havia prometido um gol, cumpriu a promessa. E chance foi que não faltou: Cavalo perdeu um pênalti logo na inauguração. O lateral Antônio César puxou o contra-ataque e foi derrubado por Henrique dentro da área. João Carlos tomou pouca distância e, convicto que marcaria, chutou fraco para a defesa de Adriano.

No segundo tempo, Zequinha fez uma mexida geral e colocou em campo Serginho, Almir, Ricardo Blumenau e Willian. O ataque ficou mais veloz e o Furacão começou a pressionar.

Aos 42′, veio o gol da vitória. O ilustre desconhecido Ricardo Blumenau recebeu o cruzamento da direita e completou para fazer um de seus únicos gols e talvez o mais importante da carreira como profissional. Nunca mais se ouviu falar no atacante, que fez sua estréia no Atlético naquele jogo.

Placar final da partida, 1 a 0. E estava mantida a escrita de 20 anos sem perder para o Flamengo em Curitiba.

Amistoso – (22/05/1994) – Atlético 1 x 0 Flamengo – Joaquim Américo
A: Julião Queirolo; Aux: José Carlos Meger e Mário Felício de Souza; CA: Luiz Cláudio, Gélson Baresi, Charles Baiano e Régis; G: Ricardo Blumenau (42′ do segundo tempo)

ATLÉTICO: Gimar (Bira); Luiz Cláudio (Serginho), Jadir, Paulo César e Antonio César (Gune); Ademir Fonseca, Leomar (Rudinei) e João Carlos Cavalo (Almir); Dedé (Ricardo Blumenau), Assis (Chicão) e Émerson (Willian). T: Zequinha.

FLAMENGO: Adriano; Henrique, Gelson Baresi, Índio e Marcos Adriano; Charles Guerreiro, Hugo, Nélio e Valdeir (Paulo Nunes); Charles Baiano e Sávio. T: Sebastião Rocha.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…