23 maio 2003 - 11h14

“Eu sou o Lucas, Clemer!”

A expectativa era grande. Seria o primeiro jogo oficial após a reabertura da Baixada, agora Arena. Início de Brasileirão e lá vinha o campeão carioca, o glorioso Flamengo, jogar contra o Atlético em sua nova casa.

Dois dias antes da partida, praticamente todos os ingressos haviam sido vendidos. Da noite de sexta até a tarde de sábado, momentos antes de começar a partida, cambistas vendiam por R$50 os ingressos que haviam custado R$10 nas bilheterias. Mais de uma hora antes do prélio e o Caldeirão já estava lotado!

A magia do estádio cheio incendiou os jogadores atleticanos que partiram com tudo pra cima do Mengo. Após várias chances desperdiçadas e uma bela jogada de Alberto pela direita, é marcado pênalti para o Atlético, aos 31 minutos da primeira etapa. Kléber prepara-se para a cobrança. Justo ele que em pouco mais de quatro meses no clube já havia perdido duas penalidades, inclusive uma na semifinal do Paranaense contra o Coritiba. Bateu e fez: Atlético 1 a 0 no Flamengo.

Veio a segunda etapa e com ela a resposta do artilheiro. Durante a semana a equipe do Globo Esporte perguntara ao goleiro Clemer se ele temia o jovem Lucas, artilheiro do Furacão: “Lucas, que Lucas? Não conheço nenhum Lucas!“, foi a resposta dele, o que bastou para despertar a motivação no atacante rubro-negro.

O 9 atleticano foi às redes e depois às câmeras de tv atrás do gol para identificar-se: “Eu sou o Lucas!“, com aquele sorriso moleque. O jogo pegou fogo e, com substituições ousadas, o Mengo partiu pra cima e diminuiu com o baixinho Romário. A partida ficou perigosa para o Atlético e Vadão resolveu mexer no time. Sacou o cansado Kléber, aos 38 do segundo tempo e colocou o garoto Kleberson, que fez um belo gol aos 44.

Início de festa na Baixada. Tanta festa que poucos chegaram a reparar que, na saída de bola, Fábio Baiano diminuiu novamente. Mas não havia tempo para mais nada. Fim de jogo, Atlético 3 a 2 Flamengo e a nação atleticana comemorou daquele jeito que só ela sabe fazer.

Naquela tarde de sábado, a alma atleticana saiu lavada com a primeira vitória oficial em casa, o Furacão manteve a escrita de não perder para o Flamengo em Curitiba desde 1974 em jogos oficiais e Clêmer conheceu quem era o Lucas.

Campeonato Brasileiro – 1999 – Atlético 3 x 2 Flamengo – Arena da Baixada

ATLÉTICO: Flávio; Alberto, Reginaldo, Gustavo e Luisinho Netto; Axel, Clóvis, Adriano (Clóvis Cruz) e Kelly; Lucas (Fabiano) e Kleber (Kleberson). T: Vadão.

FLAMENGO: Clêmer; Pimentel, Fabão, Célio Silva e Leonardo Inácio; Jorginho (Marcelo), Leandro Ávila, Fábio Baiano e Rodrigo Mendes (Reinaldo); Caio e Romário (Paulinho).T: Carlinhos.



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…

Fala, Atleticano

Planejamento

Alguns equívocos sucederam a saída de Thiago Nunes da equipe principal, razão pela qual da queda brutal no desempenho em campo, este recuperado parcialmente para…