31 maio 2003 - 17h44

Empolgação tardia

O torcedor que viu o jogo da semana passada contra o Flamengo e acompanhou o Atlético na tarde de sábado, deve estar se perguntando: o que houve com o Furacão? O time paranaense foi apático, sem vontade de sair do Rio de Janeiro com a vitória. O placar de 2 a 1 para o Fluminense foi justo diante do futebol apresentado pelo rubro-negro.

A partida começou com o Fluminense indo para cima do Atlético. Logo aos oito minutos, o tricolor carioca começou a fazer a festa. Zada recebeu no lado direito do campo, livrou-se de dois marcadores e cruzou para Sorato, livre na área, marcar. O atacante carioca nem precisou pular, tamanha a liberdade que tinha na área atleticana.

O Atlético não reagiu e jogou um futebol burocrático, com toques excessivos no meio-campo e na defesa. Nas raras oportunidades que chegou ao ataque, a bola encontrou ou o goleiro Kléber, como num chute de Luciano Santos, ou a trave, na cobrança de falta de Fabrício. O Flu não levou mais perigo ao gol de Diego no primeiro tempo.

No intervalo, o técnico Vadão prometeu que o time iria para cima. Só que foi o tricolor que voltou com mais vontade. Aos sete minutos, Jadílson fez o segundo gol. Ele deu um belo drible em Alessandro e chutou por cima de Diego. E lá se foi toda a vontade de reação do Atlético. O Fluminense continuou pressionando e teve outra chance de ampliar, com Jancarlos.

Aos vinte minutos, Fabrício foi substituído para a entrada de Ricardinho. A mudança melhorou o time. O rubro-negro passou a explorar mais os contra-ataques, mas que continuava pecando na finalização. Leomar e Dagoberto ainda foram sacados. Como últimas esperanças, entraram Fernando e Rodriguinho.

Já aos 40 minutos, Fernando chutou errado, mas a bola encontrou Ilan. Ele recebeu na área, driblou Kléber e marcou o gol do Atlético. A esperança do empate durou oito minutos. Em três escanteios consecutivos, até o goleiro Diego foi para a área adversária. Em um dos lances, a bola sobrou para Ricardinho, que chutou forte e a bola passou raspando o travessão.

Aos 48, o árbitro pernambucano Wilson de Souza Mendonça encerrou a partida. Foi o sexto jogo do Atlético fora de casa no Campeonato Brasileiro. O time não conseguiu nenhuma vitória fora da Arena (foram dois empates e quatro derrotas). O próximo jogo será no domingo, em Curitiba, contra a Ponte Preta.

11º Rodada – (31/05) – Fluminense 2 x 1 Atlético – Giulite Coutinho
A: Wilson de Souza Mendonça; CA: Rogério Corrêa, Ilan, Alessandro, Luciano Santos, Ricardinho e Leomar; G: Sorato, aos 9 do 1°; Jadílson, aos 8 e Ilan, aos 40 do 2°; P: 2.278; R: R$ 30.209,00.

FLUMINENSE: Kléber; Jancarlos, Zé Carlos, Rodolfo e Jadílson; Marcão, Marciel, Zada (Sidney) e Alex Oliveira (Josafá); Carlos Alberto e Sorato (Ademilson). T: Renato Gaúcho.

ATLÉTICO: Diego; Alessandro, Igor, Rogério Corrêa e Ivan; Leomar (Rodriguinho), Luciano Santos, Kleberson e Fabrício (Ricardinho); Dagoberto (Fernando) e Ilan. T: Vadão.


Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…