31 maio 2003 - 17h44

Empolgação tardia

O torcedor que viu o jogo da semana passada contra o Flamengo e acompanhou o Atlético na tarde de sábado, deve estar se perguntando: o que houve com o Furacão? O time paranaense foi apático, sem vontade de sair do Rio de Janeiro com a vitória. O placar de 2 a 1 para o Fluminense foi justo diante do futebol apresentado pelo rubro-negro.

A partida começou com o Fluminense indo para cima do Atlético. Logo aos oito minutos, o tricolor carioca começou a fazer a festa. Zada recebeu no lado direito do campo, livrou-se de dois marcadores e cruzou para Sorato, livre na área, marcar. O atacante carioca nem precisou pular, tamanha a liberdade que tinha na área atleticana.

O Atlético não reagiu e jogou um futebol burocrático, com toques excessivos no meio-campo e na defesa. Nas raras oportunidades que chegou ao ataque, a bola encontrou ou o goleiro Kléber, como num chute de Luciano Santos, ou a trave, na cobrança de falta de Fabrício. O Flu não levou mais perigo ao gol de Diego no primeiro tempo.

No intervalo, o técnico Vadão prometeu que o time iria para cima. Só que foi o tricolor que voltou com mais vontade. Aos sete minutos, Jadílson fez o segundo gol. Ele deu um belo drible em Alessandro e chutou por cima de Diego. E lá se foi toda a vontade de reação do Atlético. O Fluminense continuou pressionando e teve outra chance de ampliar, com Jancarlos.

Aos vinte minutos, Fabrício foi substituído para a entrada de Ricardinho. A mudança melhorou o time. O rubro-negro passou a explorar mais os contra-ataques, mas que continuava pecando na finalização. Leomar e Dagoberto ainda foram sacados. Como últimas esperanças, entraram Fernando e Rodriguinho.

Já aos 40 minutos, Fernando chutou errado, mas a bola encontrou Ilan. Ele recebeu na área, driblou Kléber e marcou o gol do Atlético. A esperança do empate durou oito minutos. Em três escanteios consecutivos, até o goleiro Diego foi para a área adversária. Em um dos lances, a bola sobrou para Ricardinho, que chutou forte e a bola passou raspando o travessão.

Aos 48, o árbitro pernambucano Wilson de Souza Mendonça encerrou a partida. Foi o sexto jogo do Atlético fora de casa no Campeonato Brasileiro. O time não conseguiu nenhuma vitória fora da Arena (foram dois empates e quatro derrotas). O próximo jogo será no domingo, em Curitiba, contra a Ponte Preta.

11º Rodada – (31/05) – Fluminense 2 x 1 Atlético – Giulite Coutinho
A: Wilson de Souza Mendonça; CA: Rogério Corrêa, Ilan, Alessandro, Luciano Santos, Ricardinho e Leomar; G: Sorato, aos 9 do 1°; Jadílson, aos 8 e Ilan, aos 40 do 2°; P: 2.278; R: R$ 30.209,00.

FLUMINENSE: Kléber; Jancarlos, Zé Carlos, Rodolfo e Jadílson; Marcão, Marciel, Zada (Sidney) e Alex Oliveira (Josafá); Carlos Alberto e Sorato (Ademilson). T: Renato Gaúcho.

ATLÉTICO: Diego; Alessandro, Igor, Rogério Corrêa e Ivan; Leomar (Rodriguinho), Luciano Santos, Kleberson e Fabrício (Ricardinho); Dagoberto (Fernando) e Ilan. T: Vadão.


Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…