23 jul 2003 - 21h38

Sem vontade, Atlético perde mais uma

A sina atleticana fora de casa teve mais um capítulo nesta quarta-feira à noite. De diferente, apenas o palco (estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas) e o adversário (Guarani). O restante foi semelhante a todos os outros jogos fora da Arena da Baixada: futebol ruim e sem a menor vontade de ganhar.

Logo no primeiro minuto, o Atlético ameaçou a meta defendida por Fernando, substituto do suspenso Jean. Jadson cobrou falta para a área e Leomar subiu mais alto que a zaga para cabecear. Porém, a conclusão saiu fraca e Fernando defendeu facilmente. O Guarani respondeu aos 3, quando Esquerdinha chutou forte da entrada da área e obrigou Diego a mandar para escanteio.

Cinco minutos depois, Rodriguinho fez boa jogada e tocou para Ilan. O atacante não conseguiu dominar, mas a bola sobrou para o próprio Rodriguinho, que bateu de três dedos. Fernando fez boa defesa. O Atlético estava melhor em campo, mas cometia erros bobos. Aos 11, por exemplo, o zagueiro Capone tentou recuar de cabeça para Diego e quase marcou contra.

Depois dos quinze minutos, o rubro-negro definhou e o Guarani passou a dominar as ações da partida. Aproveitando as falhas do sistema defensivo, o atacante Creedence foi quem mais ameaçou. Aos 19, ele recebeu em posição duvidosa e concluiu, mas Diego fez excelente defesa. No minuto seguinte, Ilan caiu na área adversária, mas o árbitro nada marcou.

A última ação ofensiva atleticana na primeira etapa ocorreu aos 23 minutos, quando Jadson deu grande passe para Ivan na esquerda. O lateral cruzou rasteiro para o centro da área, mas Ilan chutou mal para o gol. Aos 31, Rodriguinho perdeu uma bola no meio-campo, Capone furou na hora de cortar e Reinaldo chutou para o gol, forçando Rogério Corrêa a tirar para escanteio.

O Guarani chegou a marcar um gol aos 38 minutos, com Wágner, mas o lance foi anulado pela arbitragem, que assinalou impedimento. Logo depois, Wágner invadiu a área atleticana, driblou Diego e mandou para o gol, mas Capone tirou em cima da linha.

Os jogadores atleticanos deixaram o gramado reclamando da falta de ousadia e do grande espaço que o meio-campo dava ao Guarani. O auxiliar-técnico reconheceu o mau momento do time e disse que os atletas precisavam assumir maior responsabilidade.

Apesar disso, o ritmo do segundo tempo continuou o mesmo. Logo aos 13 minutos, Douglas Silva (que havia entrado em lugar de Luciano Santos alguns minutos antes) cortou mal e o rebote sobrou para Reinaldo, que chutou de fora da área e abriu o marcador para o time da casa.

Aos 24 minutos, o meia Jadson cruzou da direita e Ilan completou para o fundo das redes com um leve toque de mão. O assistente Villi Tissot marcou a irregularidade e o artilheiro atleticano foi expulso, pois havia recebido o cartão amarelo no primeiro tempo. “Eu meti a mão na bola”, confessou ele ao deixar o gramado.

Mesmo com um a menos, o Atlético voltou a ameaçar aos 30 minutos com um chute de longa distância de Douglas Silva. Logo depois, Jadson cobrou falta, mas Fernando fez firme defesa. Aos 36, após outro erro de Capone, Diego evitou o segundo gol do Bugre ao fazer excelente defesa de chute do Wágner.

Dois minutos depois, Capone tentou tirar e cabeceou para trás, deixando Wágner cara a cara com Diego. O rubro-negro levou sorte, pois o chute de Wágner acertou a trave. No final do jogo, o auxiliar chamou o árbitro e denunciou o meia Fabrício, que acabou sendo expulso e deixou o Atlético com dois a menos.

21ª Rodada (23/07/03) – Guarani 1 x 0 Atlético – Brinco de Ouro
A: Leonardo Gaciba da Silva (RS); CA: Luciano Santos, Rogério Corrêa e Reinaldo; CV: Ilan e Fabrício; P: 2.443; R: R$ 22.316,00; G: Reinaldo, aos 13 do 2°.

GUARANI: Fernando; Patrício, Nenê, Leonardo e Gílson; Rafael, Reinaldo, Dinélson e Esquerdinha; Creedence (Rafael Silva) e Wágner (Rodrigão). T: Barbieri.

ATLÉTICO: Diego; Alessandro, Capone, Rogério Corrêa e Ivan (Nélio); Leomar, Luciano Santos (Douglas Silva), Rodriguinho (Fabrício) e Jadson; Ricardinho e Ilan. T: Vadão.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…