4 ago 2003 - 0h49

Balanço completo do Brasileirão 2003

Vinte e três rodadas, 276 jogos, 800 gols marcados. São as emoções do Campeonato Brasileiro 2003. A inédita fórmula por pontos corridos deixou as equipes mais ofensivas, registrando uma média de quase três gols por partida.

O Cruzeiro é o líder da competição, com 47 pontos e aproveitamento de 68,17%. Mas Santos e São Paulo vêm logo em seguida e brigam a cada rodada pelo topo da tabela. A equipe mineira conta também com o melhor ataque da competição, com 52 gols. Dimba, do Goiás, é o artilheiro da competição, com 17 gols.

Já no item melhor defesa, o São Caetano lidera – tomou apenas 21 gols. O saldo de gols das equipe vem chamando a atenção no campeonato. Das 24 equipes, a metade tem saldo negativo: Atlético-PR, Bahia, Figueirense, Flamengo, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Grêmio, Guarani, Juventude,Vasco e Vitória.

Se o Cruzeiro é o time que mais venceu até agora, quatorze vezes, na outra ponta da tabela o Grêmio é o que mais perdeu: treze vezes. A equipe gaúcha tem a segunda pior campanha da competição, com apenas 22 pontos, superando apenas o Goiás, o lanterna com 21 pontos conquistados.

O Cruzeiro é o time com melhor desempenho dentro de casa. Jogando no Mineirão, a equipe mineira está invicta, com nove vitórias e três empates, num aproveitamento de 83,33% dos pontos disputados. Quem também ainda não perdeu em casa foi o Internacional, com sete vitórias e quatro empates no Beira-Rio.

Apenas três clubes não venceram sem o mando de campo: Atlético-PR, Bahia e Grêmio ainda não sentiram o gostinho de conquistar três pontos em território inimigo. Sensação que os são-paulinos conhecem muito bem. O time tem o melhor desempenho fora de casa, com 61,11% de aproveitamento, com seis vitórias, quatro empates e duas derrotas.

E assim estão sendo as emoções do mais longo Campeoanto Brasileiro da história. Já se passaram 23 rodadas. Restam ainda outras vinte e três. Tempo suficiente para mudar todo esse panorama.



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…

Fala, Atleticano

Planejamento

Alguns equívocos sucederam a saída de Thiago Nunes da equipe principal, razão pela qual da queda brutal no desempenho em campo, este recuperado parcialmente para…