18 set 2003 - 17h04

Caso Piekarski tem mais um capítulo

A polêmica envolvendo o meio-campista polonês Mariusz Piekarski teve mais um capítulo nesta quinta-feira. A imprensa polonesa divulgou hoje que a Procuradoria da Cracóvia está investigando a possível condição de bígamo do jogador.

Piekarski faz parte da história do Atlético e do futebol brasileiro. Em 1996, em uma tacada ousada, o Furacão anunciou a contratação de dois jovens meio-campistas poloneses, que haviam defendido a Seleção Pré-Olímpica de seu país. Naquele ano, o clube apresentou o volante Kryzstof Nowak e o meia Mariusz Piekarski, que defenderam o Furacão na brilhante campanha do Brasileirão, na qual o clube acabou na quarta colocação (na primeira fase).

Nowak e Piekarski foram titulares em alguns jogos e ganharam notoriedade também fora de campo, virando temas de reportagens para jornais e revistas sobre a “aventura” dos polacos no futebol brasileiro. Nowak permaneceu mais um tempo no Atlético e depois foi negociado com o Wolfsburg, da Alemanha. Atualmente, acometido de uma rara doença neurológica, foi obrigado a se aposentar e não joga mais futebol.

Já Piekarski deixou o Atlético mais cedo e jogou ainda no Flamengo e no Mogi Mirim antes de se transfeir para o Bastia, da França. De Curitiba, porém, levou lembranças mais marcantes: casou-se com a ex-Miss Brasil de 1995 Kelley Giovanna Vieira. O casamento ocorreu na sede do Clube Juventus e contou com o presidente Mário Celso Petraglia como padrinho.

Um ano depois do casamento nasceu Daniel, hoje com 5 anos. A relação dos dois começou a ficar polêmica no Natal de 98, quando Kelley decidiu retornar da França para passar as festas de final de ano com a família. Porém, depois disso, ela nunca mais conseguiu falar com o marido. Piekarski retornou à Polônia e deixou de atender seus telefonemas.

Em 99, o jogador casou-se com uma conterrânea e no ano passado jogou no Anorthosis Famagusta, do Chipre. Nesta semana, Kelley informou à Procuradoria da Cracóvia que continua sendo casada com Piekarski e que, portanto, ele não poderia ter se casado em seu país. O jogador admitiu o erro e prometeu regularizar sua situação imediatamente.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…