26 nov 2003 - 23h21

Caso Washington: definição em dezembro

No dia 27 de novembro do ano passado, o atacante Washington estava na sala de cirurgia de um hospital na Turquia realizando uma angioplastia, operação que dilata os vasos sangüíneos do coração. Hoje, o jogador que já vestiu a camisa da Seleção Brasileira em sete convocações, corre pelos gramados do CT do Caju como se fosse um atleta dos juniores recém promovido à categoria profissional.

O que poderia ser um pesado parece estar se tornando um sonho. Após a cirurgia, o Fenerbahce, equipe da Turquia pela qual Washington atuava na época, parou de pagar o salário. O caso foi parar na FIFA. As coisas começaram a melhorar quando o jogador recebeu uma proposta do Atlético.

“Eu conto o meu caso sem medo porque eu posso servir de exemplo de vontade, dedicação e amor pela vida e pelo que faço. Nunca passou pela minha cabeça desistir de jogar futebol”, afirmou.

O atacante está levando uma vida como a de qualquer jogador de futebol. Mora no CT do Caju, segue a rotina de trabalhos do time B do Atlético que está disputando a Copa Sesquicentenário, participa dos treinos coletivos e até marca os seus gols.

“Eu estou realizando todos os tipos de treinamentos; chute a gol, coletivo e tático. Apenas o trabalho físico que eleva o batimento cardíaco que eu preciso realizar um especial”, explicou o atacante que foi revelado ao futebol pelo Paraná Clube no ano de 1999.

A junta médica que cuida de Washington agendou para a segunda quinzena do mês de dezembro uma nova avaliação médica. Após os exames, os médicos irão dar o parecer. Caso seja positivo, o atacante irá assinar contrato com o Furacão e no início do ano será integrado ao elenco profissional para realizar a pré-temporada.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Time voando baixo

Foi um “Passeio”, o time comandado por Eduardo Barros, deu aula… Os meninos Christian e Erick, comando meio de campo, Wellington o “maestro” regendo a…

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…