30 nov 2003 - 11h54

Infantis: rubro-negro fica com o vice

A equipe infantil do Atlético acabou ficando com o vice-campeonato no Campeonato Metropolitano 2003. A primeira e única derrota da equipe ocorreu justamente na final contra o Coritiba. A partida foi disputada nessa manhã no CT do Caju e os alvi-verdes venceram por 1 a 0. Como no primeiro jogo as duas equipes haviam empatado por 1 a 1, o título ficou com o Coxa.

O Atlético começou bem e teve três escanteios no primeiro minuto da partida. Aos 5 minutos, Gerônimo fez boa jogada e tocou para Washington, na área. O atacante girou, mas chutou para fora. O rubro-negro continuou pressionando e criando boas chances especialmente com Gerônimo e Fábio Rock.

Porém, o Coritiba voltou mais determinado para a etapa final e fez o único gol do jogo aos 5 minutos. Marlos cobrou falta da ponta-direita (próximo ao escanteio) e conseguiu encobrir o goleiro João Carlos. Com o resultado negativo, o técnico Amilton Oliveira partiu para o ataque e colocou quatro atletas ofensivos: Fernando Mineiro, Naor, Halleson e Victor.

Mas nem o esquema ofensivo adiantou, já que o time errou muitos passes na entrada da área e não conseguiu superar a forte determinação dos garotos do Coritiba, comandados pelo técnico Pachequinho. Aos 16, o Coxa perdeu um atleta por expulsão, mas o regulamento da categoria permite a substituição do jogador em caso de cartão vermelho. Depois de cinco jogos sem conseguir vencer o Atlético em 2003, o Coritiba comemorou sua primeira vitória, o título e a quebra da invencibilidade do rubro-negro.

O Atlético jogou com João Carlos; Lucas Rafael (Naor), Marcão, André, Vinícius e Rodolfo (Halleson); Gabriel (Fernando Mineiro), Gerônimo e Dudu (Victor); Fábio Rock e Washington. Depois do jogo, o capitão Vinícius recebeu o troféu de vice-campeão metropolitano (foto).

Mais informações sobre os Infantil do Atlético:
Campeonato Metropolitano 2003
Elenco completo da Categoria Infantil
Comissão técnica dos Infantis



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…

Fala, Atleticano

Foi épico

Assim, como o jogo de Santiago contra a Universidad Católica, estará para sempre na memória de qualquer atlheticano… O que aconteceu ontem na Bolívia, também..…