13 dez 2003 - 19h43

Pra dizer adeus, pra dizer jamais

No final dos anos 80, os Titãs fizeram sucesso com a música “Pra dizer adeus”. A letra de Tony Belotto e Nando Reis diz que “É cedo ou tarde demais / Pra dizer adeus, pra dizer jamais“. No caso do Atlético, nunca é tarde para dizer adeus a este ano. Neste domingo, às 16 horas, no estádio Mangueirão, o rubro-negro faz sua despedida oficial da temporada enfrentando o Paysandu.

Certamente, o ano de 2003 não deixará saudades para a imensa maioria da torcida atleticana. O ânimo foi arrefecido desde os primeiros dias do ano, com a contratação do então desconhecido Heriberto da Cunha para o cargo de técnico. Em março, o time foi eliminado na segunda rodada da Copa do Brasil, depois de uma dramática passagem pela primeira fase, contra a Tuna Luso.

A seqüência de maus resultados se repetiu no Campeonato Paranaense: de candidato ao tetracampeonato, o Atlético encerrou sua participação de forma decepcionante, na sexta colocação. A chegada de Vadão melhorou a situação, mas não resolveu. Sob seu comando, a equipe não venceu sequer uma partida fora de casa e terminou o primeiro turno do Brasileiro em 18° lugar.

Veio a última chance, com Mário Sérgio, no segundo turno. A campanha melhorou, mas não foi o suficiente para classificar o time para a Copa Sul-Americana. Pelo menos a classificação final não será desonrosa. O Atlético terminará o Brasileiro entre o 11° e o 14° lugar, dependendo do resultado do jogo contra o Paysandu e do jogo entre o Grêmio e o Corinthians (único clube que pode ultrapassá-lo).

Mesmo com a arrancada final – o Furacão já está invicto há quatro partidas -, o clima para o jogo de despedida no Brasileiro não é dos melhores. Sem poder contar com onze atletas (Ivan, Igor, Douglas Silva e Ilan, machucados; Fernandinho e Dagoberto, na Seleção Brasileira Sub-20; Alessandro, Rogério Corrêa, Luciano Santos, Alan Bahia e Ricardinho, suspensos), o técnico Mário Sérgio terá de escalar atletas que nunca jogaram pelo time principal.

São os casos do volante Allan Franco e do zagueiro Bruno Lança (foto), que atuará improvisado no meio-campo. Além deles, começarão jogando outros seis atletas que não são considerados titulares absolutos. Nessa condição, os únicos que enfrentarão o Paysandu são o goleiro Diego, o meia Adriano e o atacante Alex Mineiro.

Sem almejar qualquer objetivo, a única motivação do elenco atleticano é encerrar o ano de forma digna, completando cinco partidas consecutivas de invencibilidade e deixando um alento para o início da próxima temporada. Para 2003, só nos resta dizer adeus, dizer jamais!

46ª Rodada – (14/12) – Paysandu x Atlético – Mangueirão
A: Washington José Alves de Souza (AM); H: 16h00 (horário de Curitiba; 15h00 em Belém); T: Rádio CBN (90.1 FM).

PAYSANDU: Alexandre Fávaro; Borges Neto (Wellington), Jorginho, André Dias e Souza; Sandro, Vanderson, Magnum e Vélber; Jobson e Aldrovani. T: Ivo Wortmann.

ATLÉTICO: Diego; Rodriguinho, Daniel, Alessandro Lopes, Tiago e Fabrício; Allan Franco (Izaías), Bruno Lança, Adriano e Jadson; Alex Mineiro. T: Mário Sérgio.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…