23 dez 2003 - 10h32

Dossiê 2003: os volantes do Furacão

No decorrer do ano de 2003, o time principal do Atlético utilizou dez volantes: Alan Bahia, Luciano Santos, Douglas Silva, Izaías, Carlos Alberto, Allan Franco, Cocito, Welington, Leomar e Pires (os quatro últimos deixaram a equipe durante o ano). Os titulares no início do ano foram Cocito e Leomar, mas depois Alan Bahia e Luciano Santos tomaram as posições – e os antigos titulares saíram do Atlético.

Alan, revelado nos Infantis do Atlético, virou o símbolo da posição e do time do Atlético. Muito elogiado por Mário Sérgio, ele honrou a camisa rubro-negra e superou a baixa estatura com muita disposição e dedicação. Outro que se destacou na função foi Luciano Santos, que ocupou a vaga deixada por Kleberson no meio-campo. Sua permanência para 2004 é incerta em razão de seus direitos federativos ainda estarem ligados ao União Barbarense.

Mesmo com bons volantes, certamente o Atlético contratará mais jogadores para a função. O técnico Mário Sérgio não abre mão de armar sua equipe com ao menos dois volantes e já revelou que considera o elenco rubro-negro carente. Maior prova é que no último jogo do Brasileiro, contra o Paysandu, o treinador foi obrigado a improvisar o zagueiro Bruno Lança na posição.

Confira o desempenho individual dos volantes atleticanos no ano 2003:

ALAN BAHIA
Revelado pelas categorias de base do Atlético (com passagem pelo PSTC), começou o ano de 2003 no time de Juniores, sendo capitão e artilheiro da Copa Tribuna – mesmo sendo volante. Não começou o Brasileiro como titular, mas com a chegada de Mário Sérgio, o volante teve sua chance no time principal – e não saiu mais da equipe. Seja jogando como volante ou como zagueiro, mostrou ter muita qualidade na marcação e até mesmo nas jogadas aéreas – por ter apenas 1,71 m, ele teria muitas dificuldades em ser volante. Jogou a final da Copa Sesquicentenário, sendo o único titular em campo na vitória sobre o Coritiba.

LUCIANO SANTOS
O baiano de Feira de Santana chegou sem nenhum alarde, vindo da União Agrícola Barbarense (SP), pouco antes do Brasileiro. Estreou contra o Grêmio, jogando pouco mais que 10 minutos. Contra o Figueirense, na quarta rodada, estreou como titular – e não deixou mais a vaga escapar. Com um grande vigor físico e apoiando constantemente, Luciano conquistou a vaga de segundo volante, e não a perdeu mais. Jogador versátil, podendo também jogar como primeiro volante e até lateral-direito – como no jogo contra o Fortaleza, na Baixada, onde o jogador marcou um gol. Luciano decaiu bastante na metade final do Brasileiro, chegando a ter a sua posição ameaçada por Douglas Silva. Mas as constantes suspensões de Douglas mantiveram Luciano no time titular até o final do Brasileiro.

DOUGLAS SILVA
O volante rubro-negro iniciou o ano como titular, mas acabou se contundindo gravemente ainda no Paranaense – uma lesão grave no ligamento cruzado anterior do seu joelho esquerdo, ainda em fevereiro. Douglas voltou ao time no amistoso contra a Seleção Brasileira sub-20, para readquirir ritmo. No Brasileiro, estreou contra o Corinthians, na Baixada, entrando no segundo tempo. Sentindo bastante a falta de ritmo, quando finalmente conseguiu uma sequência de jogos na equipe titular, foi expulso e afastado do elenco após a derrota para o Cruzeiro, na Baixada – segundo a direção, por razões extra-campo. Ele também havia sido punido pela diretoria em setembro de 2001, quando a direção anunciou o desligamento de Douglas por tempo indeterminado, também em razão de sua conduta extra-campo. Reintegrado ao elenco, foi novamente expulso, desta vez contra o Flamengo. Contra o Corinthians, seu ponto alto na temporada: marcou, de falta, o gol da vitória na espetacular virada rubro-negra por 3 x 2, no Pacaembu. Sentiu novamente dores em seu joelho e não jogou mais pela equipe no ano.

IZAÍAS
Vindo da Ponte Preta, o garoto de 19 anos teve poucas chances no Brasileiro. Estreou na equipe principal justamente contra sua ex-equipe, mas não conseguiu manter uma sequência constante de partidas – após uma expulsão contra o Vitória, acabou perdendo seu espaço na equipe do treinador Vadão. O jogador só voltou a jogar pela equipe principal sob o comando de Mário Sérgio – enquanto isso, destacou-se na equipe que jogou a Copa Sesquicentenário. No final do campeonato, jogou improvisado na lateral-esquerda, porém sem conseguir se adaptar à posição.

CARLOS ALBERTO
Veio do Feyenoord, juntamente com o lateral-esquerdo Michel Bastos, na negociação do lateral Jean. Contratado durante o Campeonato Brasileiro, ele não teve oportunidades de jogar em uma partida no Brasileiro até a partida contra o Bahia, em Salvador. Não teve mais oportunidades, pois teve seu joelho operado pouco tempo depois.

ALLAN FRANCO
Mais um jogador das categorias de base do Atlético, campeão da Copa Tribuna de juniores em 2003. Teve apenas uma chance neste ano na equipe principal, jogando a partida de despedida do campeonato contra o Paysandu, em Belém.

Colaboração: Bruno Rolim, do conteúdo da Furacao.com

Conheça mais sobre os volantes do elenco do Atlético:



Luciano Santos



Alan Bahia


Douglas Silva
 

Izaías


Carlos Alberto


Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…