7 jan 2004 - 21h30

Braços abertos para ex-atleticanos

São quatro times. São quatro treinadores. São quatro ex-atleticanos no poder. Flamengo, Vasco da Gama, Botafogo e Fluminense são comandados por técnicos que já trabalharam no Atlético. Abelão, Geninho, Levir Culpi e Espinosa são os responsáveis pelos clubes de maior tradição do Rio de Janeiro.

Da lembrança do torcedor rubro-negro paranaense, a mais saudosa é a de Geninho. Campeão Brasileiro de 2001 com o Furacão, o treinador teve uma empatia muito grande com a torcida e foi demitido após uma série de resultados negativos no começo de 2002. A fraca campanha na Libertadores da América foi um dos motivos principais.

Só que nem mesmo a tragédia no campeonato internacional serviu para afastar o respeito e a admiração dos torcedores. Já dirigindo o Atlético Mineiro, em 2002, Geninho foi aplaudido de pé nas arquibancadas da Arena da Baixada quando o Galo veio disputar uma partida com o rubro-negro.

Hoje Geninho dirige o Vasco da Gama e nesta semana deu uma declaração polêmica: “Jogador bandido gosta de jogar comigo”. Ele referiu-se ao volante Beto. “Quando digo bandido é no bom sentido, claro. Pouco me importa o que Beto fará longe do Vasco. Conto com ele para vencer”, afirmou o técnico, que domou a fera chamada Nem, em 2001.

Flamengo

O Flamengo aposta num Campeão Paranaense para voltar a brilhar. Abel Braga teve duas passagens pelo Atlético. A primeira, em 98, tirou o clube de uma fila de sete anos sem conquistar o estadual.

Demitido em 99, Abelão retornou à Baixada em 2002, quando o time tinha poucas chances de classificação no Brasileiro. Sua passagem de volta foi meteórica e durou pouco mais de um mês. Como resultado positivo, uma vitória num clássico Atletiba.

Abel Braga vai ter a responsabilidade de treinar a equipe mais popular do país. Segundo uma pesquisa encomendada pela Rede Globo, 15% dos brasileiros torcem para o Flamengo.

Fluminense

Nas Laranjeiras o negócio é com Valdir Espinosa. Com ele o Atlético começou o Brasileiro de 2002 e fez boas partidas. Um dos melhores jogos do Furacão naquela temporada foi contra o Corinthians, em São Paulo. Os paranaenses venceram por 3-0 com uma atuação brilhante do meio-campo Kleberson, que recém tinha participado da Copa do Mundo.

Apesar de manter o clube entre os oito times mais bem colocados na tabela de classificação, Espinosa foi demitido após uma derrota contra o São Caetano, na Arena da Baixada.

Com o filho e auxiliar técnico Rivellino Serpa, Espinosa se mandou para a Arábia Saudita, onde treinou o Riad. Ele volta ao Brasil para dirigir o Fluminense, time que já dirigiu em 1997, 2000 e 2001 e com o aval de Romário: “É um profissional de grande nível, que até já foi campeão do mundo. Tenho certeza de que é um profissional que conhece muito de futebol e tem condições de nos ajudar bastante”.

Botafogo

O Botafogo manteve Levir Culpi no comando do time. Vice-campeão Brasileiro da Série B, o curitibano Levir dirigiu o Atlético no fim da década de 80, onde enfrentou grandes problemas na montagem do elenco.

Admirador confesso do litoral paranaense, o treinador passou grande parte das férias em Caiobá e agora volta aos trabalhos no Rio de Janeiro feliz com o atual elenco: “Ano passado, não tínhamos a menor condição de disputar o Estadual. Hoje, ainda não tenho um time para a estréia e podemos até sofrer um pouquinho, mas bem menos que no ano passado. Não vamos entrar na competição para testar jogadores, mas para brigar pelo título”, disse.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…