3 fev 2004 - 21h42

Diego: “A Seleção é o meu objetivo”

Diego chegou ao Atlético Paranaense vivendo o fantasma do goleiro Flávio, campeão brasileiro pelo clube em 2001. Com muito trabalho e confiança no potencial, o gaúcho de Itaqui conquistou a torcida rubro-negra com belas atuações e pela simpatia.

Na entrevista exclusiva ao site Furacao.com, Diego contou das alegrias que já viveu com a camisa do Atlético, as metas do clube em 2004 e o principal objetivo da carreira: estar na Seleção Brasileira que vai buscar o hexacampeonato mundial na Copa da Alemanha, em 2006.

Esta semana fez um ano que você está em Curitiba. Qual avaliação você faz desse período no Atlético?
Muito bom. Desde o primeiro momento eu deixei claro a minha satisfação de estar nessa cidade e de vestir a camiseta do Atlético. Em momento algum aquele “fantasma” do Flávio me assustou ou me preocupou porque não é do meu feitio ficar me comparando com outras pessoas. No clube todo mundo me recebeu de braços abertos, do presidente ao porteiro. Isso faz com que você trabalhe com vontade e tenha gosto de estar nesse clube.

Recentemente você falou para a Furacao.com que um dos seus objetivos é o de estar na Copa do Mundo da Alemanha, em 2006. Como está sendo a sua preparação para isso?
Essa é a minha grande meta, meu grande objetivo e se eu conseguir isso eu vou ser a pessoa mais feliz do mundo. Ficando aqui no Atlético eu tenho grandes chances de concretizar esse meu sonho porque é uma equipe grande, uma equipe que sempre leva jogadores para a Seleção Brasileira. Claro que sozinho não dá pra fazer tudo, precisa de um grupo, de um conjunto, onde todos trabalhem mutuamente. Eu comecei o trabalho na pré-temporada visando esse objetivo e a cada partida você tem que estar preparado porque alguém da CBF pode estar olhando.

Qual avaliação você faz desse começo de temporada do Atlético e as metas para 2004?
Nós não podemos nos acomodar com esse início.Eu sempre pensei dessa forma: o bom é inimigo do ótimo. Se está bom, nós podemos alcançar o ótimo. E a pré-temporada foi excelente: um mês de trabalhos intensos, só trabalhamos a parte física; isso fez com que nós sentíssemos muitas dores musculares, mas trabalhamos em cima do cansaço e das dores e pouco a pouco fomos nos superando. O ambiente de trabalho está muito bom, está começando a se formar uma família e todos estão unidos nos objetivos que são buscar o título de Campeão Paranaense e fazer uma bela campanha no Brasileiro, também sonhando ficar entre os primeiros.

Por que o Mário Sérgio tirou a tarja de capitão do seu braço e colocou no braço do Rogério Corrêa?
No momento em que o Mário Sérgio me deu a tarja de capitão no ano passado foi porque ele sentiu uma responsabilidade muito grande em cima de mim. Agora ele explicou que é melhor um atleta de linha ser capitão para ter um contato maior com o juiz no Campeonato Paranaense. Então o Mário pediu a minha compreensão, eu entendi perfeitamente e a tarja de capitão está em excelentes mãos porque o Rogério também exerce uma liderança no elenco.

A torcida espera que 2004 seja bem melhor do que 2003. É isso que você também espera?
Lógico! Eu tenho certeza que esse ano vai ser bem melhor até pelas experiências que a gente teve no ano que passou. A gente estava no fundo do poço, com risco de ser rebaixado, o Mário Sérgio veio pra cá, mudou a cara da equipe e fez com que nós conseguissemos mais responsabilidade. E pra esse ano a tendência é melhorar bastante, esquecer as vaidades pessoais e se fazer um grupo vencedor. E eu tenho certeza que estamos no caminho certo.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…