8 fev 2004 - 15h01

Um é pouco, dois é bom, três é demais!

O Furacão goleou o Paraná Clube por 3 a 0 em jogo realizado na tarde deste domingo na Arena da Baixada. O Atlético foi bem durante todo o jogo e marcou seus três gols no segundo tempo. O primeiro foi marcado por Washington, que estreou com a camisa rubro-negra e foi ovacionado pela torcida.

O rubro-negro foi superior durante a primeira etapa e teve ótimas chances para marcar, todas sem sucesso. Logo aos 3 minutos, Jadson cobrou escanteio e a bola sobrou para Alessandro Lopes, que não conseguiu alcançá-la. Momentos depois, Jadson voltou a cruzar bem e Fernandinho cabeceou, mas a bola passou à esquerda do goleiro Flávio.

Essa mesma jogada, cruzamento de Jadson e cabeçada de Fernandinho, voltou a ameaçar Flávio aos 15 minutos. Desta vez, o goleiro paranista fez boa defesa. Aos 18, Alessandro Lopes chegou a marcar um gol de cabeça, mas havia cometido falta em João Vítor antes de saltar. O gol foi anulado e a falta, marcada.

A pressão atleticana aumentou nos minutos finais da primeira etapa. Aos 26, Washington tentou cabecear e Flávio mandou para fora, mas o árbitro marcou apenas tiro de meta. No minuto seguinte, Ilan livrou-se de três adversários, mas acabou desarmado pelo zagueiro Gelson Baresi.

O Atlético teve ótima oportunidade aos 31 minutos, em uma triangulação de Ilan, Washington e William. O estreante da tarde foi cortado no momento em que preparava o chute e a bola sobrou para Ilan. O atacante pensou rápido e tocou para William. Livre, o lateral chutou mal e perdeu excelente chance. Aos 32, Washington marcou um gol de cabeça, que também foi anulado pela arbitragem, tendo em vista que Ilan estava impedido.

Essas duas jogadas empolgaram o Furacão, que perdeu chances incríveis em apenas cinco minutos. Logo depois, Marcão lançou Ilan, que acionou Washington. O atacante driblou Flávio, mas chutou nas redes pelo lado de fora. Mesmo com a chance perdida, o jogador teve seu nome ovacionado pela torcida rubro-negra. Empolgado, ele protagonizou uma bela jogada, dando um chapéu em Gelson Baresi dentro da área, antes de perder a bola.

Aos 45, o Paraná Clube resolveu responder, mas o chute de João Vítor saiu muito fraco e Diego fez tranqüila defesa.


Torcida compareceu em bom número à Baixada

Segundo tempo: massacre atleticano

O Atlético iniciou o segundo tempo no mesmo ritmo que havia terminado o primeiro. Logo no início, Ilan tentou uma bicicleta, mas não alcançou a bola. Depois, Washingtou cabeceou com perigo, mas Flávio conseguiu fazer a defesa. No contra-ataque, o Paraná criou sua melhor chance no jogo até então, mas Éverton não chegou a tempo de concluir o cruzamento na área. Aos 5 minutos, o lateral-esquerda Anderson cometeu falta violenta em Rogério Corrêa e foi expulso, pois já havia recebido o cartão amarelo na primeira etapa.

Parecia que era o que estava faltando para o rubro-negro finalmente conseguir marcar. Aos 7 minutos, Jadson cobrou falta rasteira na área. Washington, bem posicionado, bateu com precisão para o gol, tirando do alcance de Flávio e marcando seu primeiro gol com a camisa rubro-negra. Emocionado, o artilheiro partiu em direção do centro do gramado e ajoelhou-se, apontando para o céu. Em êxtase, a torcida começou a gritar seu nome.

Depois do gol, o zagueiro Alessandro Lopes recebeu o cartão amarelo e acabou sendo substituído pelo lateral-direita André Luiz, que fez sua estréia na categoria profissional. Aos 9, Ilan foi lançado na área por Marcão, mas foi derrubado pela zaga paranista. O árbitro Héber Roberto Lopes não só não marcou o pênalti como também mostrou o amarelo para o atacante.

Mesmo jogando melhor, o Atlético não escapou de sofrer alguns sustos. Jean Carlo lançou Cacau aos 12 minutos. O atacante girou na área e chutou para o gol, mas Diego fez excelente defesa. Na jogada, o goleiro atleticano se machucou e precisou de atendimento médico.

Aos 23 minutos, Washington foi substituído por Renna. O atacante deixou o campo aplaudido de pé pela torcida rubro-negra, uma justa homenagem à excelente estréia do jogador. Cinco minutos depois, o Atlético quase chegou ao segundo gol. Jadson e Renna fizeram boa jogada e o meia acabou chutando para fora.

Logo depois, Renna fez outra boa jogada, mas o individualismo o atrapalhou. Em lugar de cruzar para a área, onde Ilan e Rogério Corrêa aguardavam bem posicionados, o atacante baiano tentou concluir sozinho e bateu cruzado, para fora. Mas era apenas o prenúncio de que ainda viriam mais gols.

Aos 31 minutos, o lateral Marcão recebeu lançamento de Renna na esquerda, invadiu a área, ergueu a cabeça e chutou forte no lado esquerdo de Flávio, marcando seu segundo gol no Campeonato Paranaense.

Cinco minutos mais tarde, Marcão invadiu a área e tocou para Ilan. A bola acabou ficando com Renna, que chutou mal. Mas aos 38 minutos, ele não desperdiçou. Marcão fez boa jogada pela esquerda e tocou para Jadson. O meia fez um lançamento primoroso para Renna, que driblou Flávio e marcou seu primeiro gol com a camisa rubro-negra. A torcida comemorou cantando o trecho do hino que diz “a camisa rubro-negra só se veste por amor”.

Com a bela vitória, o Furacão isolou-se na liderança do Grupo A do Campeonato Paranaense, com 13 pontos. O time voltará a campo no próximo domingo, contra o Iraty, no primeiro jogo do time fora de Curitiba neste ano. Já o Paraná caiu uma posição é o lanterna da chave, ficando ainda mais distante da classificação para a próxima fase.

5ª Rodada – Paranaense – (08/02/04) – Atlético 3 x 0 Paraná Clube
L: Arena da Baixada; A: Héber Roberto Lopes (PR); CA: Alan Bahia, Alessandro Lopes, Ilan, João Vitor, Rogério Corrêa, Athos, André Luiz e João Paulo; CV: Anderson; P: 14.921; R: R$ 156.370,00; G: Washington, aos 7, Marcão, aos 31 e Renna, aos 38 do 2°.

ATLÉTICO: Diego; William, Alessandro Lopes (André Luiz), Rogério Corrêa (Fabiano) e Marcão; Alan Bahia, Ramalho, Jadson e Fernandinho; Ilan e Washington (Renna). T: Mário Sérgio.

PARANÁ CLUBE: Flávio; Erivélton (Jean Carlo), Gélson Baresi (João Paulo), Fernando Lombardi e Anderson; João Vitor, Éverton César, Wilian e Athos; Éverton e Vandinho (Cacau). T: Saulo de Freitas.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…