7 mar 2004 - 16h05

“Não foi o dia do Atlético”

O Atlético fez sua pior partida no Campeonato Paranaense de 2004 na tarde deste domingo, na Arena da Baixada. Como resultado, o time não passou de um empate por 2 a 2 com o Iraty. A exemplo do que havia acontecido contra o Cianorte, o time encontrou dificuldades. Desta vez, porém, a sorte não esteve do lado rubro-negro.

O time começou bem o jogo e marcou o primeiro gol logo aos 3 minutos. Alessandro Lopes avançou pela ponta-direita, driblou Galvão e cruzou para a área. O goleiro Emerson saiu do gol para evitar a cabeçada de Washington e o rebote acabou sobrando para Fernandinho, na entrada da área. Ele ajeitou e chutou cruzado, aproveitando que Emerson estava fora do gol.

Depois do ótimo início, o rubro-negro caiu de produção. Fabrício ainda quase marcou o segundo aos 14 minutos, em um cobrança de falta na entrada da área, mas o Atlético já não tinha mais o mesmo ímpeto ofensivo. Aos 21, veio o castigo à falta de vontade da equipe. O lateral Claudiou cobrou falta da intermediária e Sandro subiu livre para cabecear. Diego ainda fez uma defesa espetacular, mas Adriano pegou o rebote quase em cima da linha do gol e empatou o jogo.

Três minutos mais tarde, o Atlético teve um lampejo de bom futebol. Ilan fez uma jogada maravilhosa pela direita, com direito a drible da vaca e tudo, mas a jogada não resultou em nada. Nos minutos finais, Alan Bahia e Ramalho bateram cabeça, William errou na cobertura, Fabrício foi desarmado várias vezes e a zaga titubeou outras tantas.

O capitão Rogério Corrêa expressou sua revolta com a atuação do time aos 32 minutos, ao reclamar de braços abertos depois de um erro cometido por Alan Bahia e Fernandinho. Mesmo não jogando bem, o Atlético quase marcou o segundo, contando um lance de sorte. Emerson saiu jogando mal e entregou a bola nos pés de Fabrício. Ele enfiou para Washington, que perdeu uma chance incrível, chutando na rede pelo lado de fora.

Nos minutos finais, o time voltou a cometer falhas e foi vaiado pela torcida. Fabrício e William foram os mais cobrados, mas Mário Sérgio sacou apenas o segundo no intervalo de jogo. Além dele, tirou também o lateral Ivan, promovendo as entradas de Dagoberto e Vanderson, na esperança de melhorar o time no segundo tempo.

Segundo tempo: novo empate

As mudanças de Mário Sérgio não puderam sequer ser testadas. Aos 2 minutos, Claudio cobrou falta da ponta-direita e Galvão subiu livre na área, cabeceando no canto direito de Diego e virando o jogo. A torcida, em lugar de aumentar as vaias, mudou o comportamento. Incentivou o time, sentindo que seu apoio era necessário.

O Iraty só teve forças para ficar em vantagem no placar por quatro minutos. Exatamente aos 6 minutos, Washington recebeu passe dentro da área, de costas para o gol. Ele girou e, mesmo desequilibrado, chutou no cantinho do goleiro Emerson. O gol foi muito comemorado pela torcida e pelo artilheiro, que celebrou como se estivesse tocando violão.

A paciência da torcida só foi abalada aos 11 minutos, quando Washington deu um lindo toque e deixou Ilan na cara do gol. O atacante matou no peito e se preparou para marcar um golaço, mas demorou muito e foi desarmado. Mas a irritação acabou segundos depois, quando Alessandro Lopes acertou uma cabeçada em cobrança de escanteio e quase marcou o terceiro gol.

Aos 23, Washington recebeu lançamento pela esquerda e invadiu a área. Depois de driblar um zagueiro e se desequilibrar, tocou para Ilan. O camisa 10 fez o mesmo que o companheiro de ataque: driblou um zagueiro e se desequilibrou. Mesmo assim, Ilan conseguiu ficar com o domínio da bola por tempo suficiente para receber o pênalti.

Washington cobrou o pênalti no canto direito de Emerson, que foi bem na bola e espalmou para o lado. O “Coração Valente” ficou decepcionado, mas recebeu o apoio da torcida, que gritou seu nome. Quase dez minutos depois, outro jogador teve seu nome gritado pela torcida: o goleiro Diego. Ele fez uma defesa maravilhosa ao desarmar, com o pé, o jogador André, que invadiu a área livre e tinha tudo para marcar o terceiro gol do Iraty.

Faltando poucos minutos para o fim do jogo, Mário Sérgio sacou Washington e colocou Renna para tentar a vitória. Mas o atacante baiano só apareceu no jogo para levar um cartão amarelo, por ter jogado a bola com força no chão, depois de mais uma chance perdida pelo ataque rubro-negro.

“Não foi o dia do Atlético Paranaense”, resumiu o técnico Mário Sérgio na entrevista coletiva, depois do jogo. De fato, foi a pior apresentação do time neste ano. A recuperação pode ocorrer no próximo final de semana, quando o Atlético enfrentará o Malutrom em São José dos Pinhais.

3ª Rodada / 2ª Fase – Paranaense – (07/03/04) – Atlético 2 x 2 Iraty
L: Arena da Baixada; A: Cleivaldo Bernardo (PR); CA: Lulinha, Adriano, Vanderson e Renna; P: 9.037; R: R$ 85.245,00; G: Fernandinho, aos 3, e Adriano, aos 21 do 1°; Galvão, aos 2, e Washington, aos 6 do 2°.

ATLÉTICO: Diego; William (Dagoberto), Alessandro Lopes, Rogério Corrêa e Ivan (Vanderson); Ramalho, Alan Bahia, Fabrício e Fernandinho; Ilan e Washington (Renna). T: Mário Sérgio.

IRATY: Emerson; Cláudio, Sandro, Nelinho e Careca; Fabiano, Nilson, Alexandre (André) e Lulinha (Rodrigo); Adriano e Galvão (Luciano). T: Paulo Campos.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Insanidade

Louva-se o posicionamento do CAP em relação à atitude insana, egoísta e manipuladora do Flamengo, que chegou ao ponto de utilizar-se da peste alcançar seus…

Camisa preta edição especial.

Opinião

Viva a revolução!

Eu sou corneta. Confesso! Se o time vai mal, sou o primeiro a reclamar. Se o time vai bem, tem que melhorar. Se ganhou de…

Notícias

A evolução do Athletico

É inegável a evolução do rubro-negro. Desde a mudança no comando técnico, o Furacão vem evoluindo a cada jogo. Atualmente acumula quatro vitórias consecutivas. Além…