4 abr 2004 - 17h18

Furacão volta a brilhar e está na final

Depois de alguns jogos, finalmente o Atlético voltou a encantar neste Campeonato Paranaense. Empurrado pela torcida, o Furacão derrotou o Londrina por 3 a 1 na tarde deste domingo na Arena da Baixada e garantiu sua presença na final da competição, contra o Coritiba.

A péssima atuação no primeiro tempo do primeiro jogo contra o Londrina, no Estádio do Café, serviu como lição aos jogadores atleticanos. O técnico Mário Sérgio cobrou publicamente de seus atletas, pedindo mais dedicação e esforço desde o primeiro minuto de jogo.

Os resultados foram percebidos desde os primeiros minutos da partida de volta, na Arena da Baixada. Logo aos 2 minutos, a torcida atleticana, que compareceu em bom número, levantou, empolgada com a boa jogada iniciada por Fernandinho na direita. Marcão ficou com a sobra na esquerda, driblou Carlos Alberto e cruzou na cabeça de Washington, que cabeceou mal.

Logo depois, foi a vez de Marcão receber cruzamento de Igor e mandar de voleio, obrigando o goleiro Marcelo a se esticar para evitar o gol. Vontade não faltou aos atleticanos. Jadson e Ilan destacaram-se armando os jogos e protagonizando lances de rara beleza. Aos 13 minutos, Jadson fez ótima jogada com Marcão pela esquerda, mas a zaga cortou o cruzamento do lateral.

Apesar das boas jogadas, o Furacão tinha dificuldades para abrir o placar, especialmente em função da forte marcação sobre o artilheiro Washington. Perseguido de perto pelo zagueiro Scharles, ele era freqüentemente vítima de faltas. Aos 20 minutos, Scharles puxou a camisa 9 do atacante e impediu que ele aproveitasse o bom lançamento de Alan Bahia.

Foi a solução para o Atlético. Com a bola parada, Scharles não pôde parar Washington. Na cobrança da falta, Alan Bahia ajeitou e o Coração Valente chutou de modo preciso, nem muito alto, nem muito baixo; nem muito forte, nem muito fraco. Apenas na medida para acertar o canto direito de Marcelo e marcar o primeiro gol rubro-negro.

O gol tranqüilizou o Atlético, que passou a jogar bonito. Dois minutos depois, Ilan recebeu na área, ajeitou com estilo e bateu colocado, próximo ao travessão. Mas sua jogada mais sensacional viria minutos depois, aos 29. Ele partiu com a bola da intermediária, deu dois dribles-da-vaca em zagueiros londrinenses e chutou forte. O goleiro defendeu e Washington mandou o rebote na trave, para desespero da torcida.

O show de Jadson começou logo depois. Aos 36, o meia fez linda jogada pela ponta-direita e tocou para Washington, mas ele chutou em cima da defesa. Logo depois, Jadson tentou decidir sozinho. Driblou dois adversários e chutou rasteiro, mas Marcelo impediu o gol mais uma vez.

O Londrina ameaçou aos 39 minutos, com com um chute de longa distância de Fabinho. A bola veio forte e alta no centro do gol, mas Diego estava atento e espalmou para escanteio. Nos últimos minutos, Scharles cometeu mais uma falta, desta vez em Ilan, na entrada da área. Pela violência, foi expulso.

Segundo tempo: show de Jadson e Dagoberto

O Atlético voltou para o segundo tempo com uma modificação: Alessandro em lugar de Fernandinho. Mesmo assim, o time manteve o mesmo ritmo ofensivo. Logo aos 4 minutos, Marcão cruzou da esquerda, Ilan ajeitou para o centro da área e Jadson foi derrubado pelo zagueiro ao tentar o drible. Pênalti que o próprio Jadson bateu. Ele chutou no canto direito do goleiro, que saltou para a esquerda.

Logo depois do gol, a torcida iniciou alguns gritos de protesto em razão do valor do ingresso. Durante quase toda a partida, a torcida não havia se manifestado de forma sistemática, dando uma trégua para ajudar o time a vencer a partida. Dentro de campo, Jadson foi o maestro atleticano no segundo tempo, dando passes precisos e lançamentos primorosos.

Aos 11 minutos, Mário Sérgio sacou Alan Bahia, pendurado com dois cartões amarelos, e colocou Bruno Lança em seu lugar. Alguns minutos depois, foi a vez de Washington deixar o campo para ser substituído por Dagoberto. A torcida gritou o nome dos dois atletas, mostrando que ambos contam com o carinho do torcedor.

Durante os vinte minutos finais do segundo tempo, Jadson e Dagoberto foram os principais jogadores atleticanos, criando diversas boas jogadas. O Londrina limitou-se a ficar na defesa, tentando evitar uma goleada. O time ameaçou poucas vezes. Em uma delas, conseguiu fazer seu gol.

Diego tentou cortar um cruzamento da esquerda, mas a bola sobrou no centro da área para Ricardo. Ele só tocou para o fundo das redes, diminuindo. No minuto seguinte, Alessando cruzou da direita e o zagueiro Rodrigo, sozinho, cabeceou para trás, marcando um gol contra.

Aos 43 minutos, Ilan desarmou na área atleticana e tocou para Jadson na lateral-esquerda. Ele carregou a bola até o ataque e tocou para Dagoberto. O atacante driblou o primeiro, mas foi derrubado pelo segundo zagueiro na risca da grande área. Jadson cobrou forte a falta e a bola passou raspando.

Foi a última chance do time atleticano, que deixou o campo aplaudido pelos torcedores. Com a vitória, o Atlético se classificou para disputar a final do Campeonato Paranaense contra o Coritiba. O primeiro jogo será no Estádio Couto Pereira e a volta, na Arena da Baixada. O Atlético joga por dois empates para ser campeão.

Semifinal – Volta – Paranaense – (04/04/04) – Atlético 3 x 1 Londrina
L: Arena da Baixada; A: Marcos Tadeu da Silva Mafra (PR); CA: Rocha, Germano, Bruno Lança; CV: Scharles; P: 14.527; R: R$ 147.280,00; G: Washington, aos 21 do 1°; Jadson, aos 5, Ricardo, aos 32, e Rodrigo (contra), aos 33 do 2°.

ATLÉTICO: Diego; Fernandinho (Alessandro), Alessandro Lopes, Marinho, Igor e Marcão; Alan Bahia (Bruno Lança), Vanderson e Jadson; Ilan e Washington (Dagoberto). T: Mário Sérgio.

LONDRINA: Marcelo; Carlos Alberto, Scharles, Rodrigo e Fabinho; Rocha, Rogério (Léo), Germano e Eduardo Neves (Ricardo); Nem e Cahê. T: Raul Plasmann.



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…

Fala, Atleticano

Planejamento

Alguns equívocos sucederam a saída de Thiago Nunes da equipe principal, razão pela qual da queda brutal no desempenho em campo, este recuperado parcialmente para…

Fala, Atleticano

O pior Atletiba que eu vi

Olha, foi “tenso” assistir o Clássico… Sóbrio , ver o jogo, nem pensar… Jesus, que “Show de Horrores” !!!! Uma equipe, tentando jogar apesar de…