4 abr 2004 - 17h18

Furacão volta a brilhar e está na final

Depois de alguns jogos, finalmente o Atlético voltou a encantar neste Campeonato Paranaense. Empurrado pela torcida, o Furacão derrotou o Londrina por 3 a 1 na tarde deste domingo na Arena da Baixada e garantiu sua presença na final da competição, contra o Coritiba.

A péssima atuação no primeiro tempo do primeiro jogo contra o Londrina, no Estádio do Café, serviu como lição aos jogadores atleticanos. O técnico Mário Sérgio cobrou publicamente de seus atletas, pedindo mais dedicação e esforço desde o primeiro minuto de jogo.

Os resultados foram percebidos desde os primeiros minutos da partida de volta, na Arena da Baixada. Logo aos 2 minutos, a torcida atleticana, que compareceu em bom número, levantou, empolgada com a boa jogada iniciada por Fernandinho na direita. Marcão ficou com a sobra na esquerda, driblou Carlos Alberto e cruzou na cabeça de Washington, que cabeceou mal.

Logo depois, foi a vez de Marcão receber cruzamento de Igor e mandar de voleio, obrigando o goleiro Marcelo a se esticar para evitar o gol. Vontade não faltou aos atleticanos. Jadson e Ilan destacaram-se armando os jogos e protagonizando lances de rara beleza. Aos 13 minutos, Jadson fez ótima jogada com Marcão pela esquerda, mas a zaga cortou o cruzamento do lateral.

Apesar das boas jogadas, o Furacão tinha dificuldades para abrir o placar, especialmente em função da forte marcação sobre o artilheiro Washington. Perseguido de perto pelo zagueiro Scharles, ele era freqüentemente vítima de faltas. Aos 20 minutos, Scharles puxou a camisa 9 do atacante e impediu que ele aproveitasse o bom lançamento de Alan Bahia.

Foi a solução para o Atlético. Com a bola parada, Scharles não pôde parar Washington. Na cobrança da falta, Alan Bahia ajeitou e o Coração Valente chutou de modo preciso, nem muito alto, nem muito baixo; nem muito forte, nem muito fraco. Apenas na medida para acertar o canto direito de Marcelo e marcar o primeiro gol rubro-negro.

O gol tranqüilizou o Atlético, que passou a jogar bonito. Dois minutos depois, Ilan recebeu na área, ajeitou com estilo e bateu colocado, próximo ao travessão. Mas sua jogada mais sensacional viria minutos depois, aos 29. Ele partiu com a bola da intermediária, deu dois dribles-da-vaca em zagueiros londrinenses e chutou forte. O goleiro defendeu e Washington mandou o rebote na trave, para desespero da torcida.

O show de Jadson começou logo depois. Aos 36, o meia fez linda jogada pela ponta-direita e tocou para Washington, mas ele chutou em cima da defesa. Logo depois, Jadson tentou decidir sozinho. Driblou dois adversários e chutou rasteiro, mas Marcelo impediu o gol mais uma vez.

O Londrina ameaçou aos 39 minutos, com com um chute de longa distância de Fabinho. A bola veio forte e alta no centro do gol, mas Diego estava atento e espalmou para escanteio. Nos últimos minutos, Scharles cometeu mais uma falta, desta vez em Ilan, na entrada da área. Pela violência, foi expulso.

Segundo tempo: show de Jadson e Dagoberto

O Atlético voltou para o segundo tempo com uma modificação: Alessandro em lugar de Fernandinho. Mesmo assim, o time manteve o mesmo ritmo ofensivo. Logo aos 4 minutos, Marcão cruzou da esquerda, Ilan ajeitou para o centro da área e Jadson foi derrubado pelo zagueiro ao tentar o drible. Pênalti que o próprio Jadson bateu. Ele chutou no canto direito do goleiro, que saltou para a esquerda.

Logo depois do gol, a torcida iniciou alguns gritos de protesto em razão do valor do ingresso. Durante quase toda a partida, a torcida não havia se manifestado de forma sistemática, dando uma trégua para ajudar o time a vencer a partida. Dentro de campo, Jadson foi o maestro atleticano no segundo tempo, dando passes precisos e lançamentos primorosos.

Aos 11 minutos, Mário Sérgio sacou Alan Bahia, pendurado com dois cartões amarelos, e colocou Bruno Lança em seu lugar. Alguns minutos depois, foi a vez de Washington deixar o campo para ser substituído por Dagoberto. A torcida gritou o nome dos dois atletas, mostrando que ambos contam com o carinho do torcedor.

Durante os vinte minutos finais do segundo tempo, Jadson e Dagoberto foram os principais jogadores atleticanos, criando diversas boas jogadas. O Londrina limitou-se a ficar na defesa, tentando evitar uma goleada. O time ameaçou poucas vezes. Em uma delas, conseguiu fazer seu gol.

Diego tentou cortar um cruzamento da esquerda, mas a bola sobrou no centro da área para Ricardo. Ele só tocou para o fundo das redes, diminuindo. No minuto seguinte, Alessando cruzou da direita e o zagueiro Rodrigo, sozinho, cabeceou para trás, marcando um gol contra.

Aos 43 minutos, Ilan desarmou na área atleticana e tocou para Jadson na lateral-esquerda. Ele carregou a bola até o ataque e tocou para Dagoberto. O atacante driblou o primeiro, mas foi derrubado pelo segundo zagueiro na risca da grande área. Jadson cobrou forte a falta e a bola passou raspando.

Foi a última chance do time atleticano, que deixou o campo aplaudido pelos torcedores. Com a vitória, o Atlético se classificou para disputar a final do Campeonato Paranaense contra o Coritiba. O primeiro jogo será no Estádio Couto Pereira e a volta, na Arena da Baixada. O Atlético joga por dois empates para ser campeão.

Semifinal – Volta – Paranaense – (04/04/04) – Atlético 3 x 1 Londrina
L: Arena da Baixada; A: Marcos Tadeu da Silva Mafra (PR); CA: Rocha, Germano, Bruno Lança; CV: Scharles; P: 14.527; R: R$ 147.280,00; G: Washington, aos 21 do 1°; Jadson, aos 5, Ricardo, aos 32, e Rodrigo (contra), aos 33 do 2°.

ATLÉTICO: Diego; Fernandinho (Alessandro), Alessandro Lopes, Marinho, Igor e Marcão; Alan Bahia (Bruno Lança), Vanderson e Jadson; Ilan e Washington (Dagoberto). T: Mário Sérgio.

LONDRINA: Marcelo; Carlos Alberto, Scharles, Rodrigo e Fabinho; Rocha, Rogério (Léo), Germano e Eduardo Neves (Ricardo); Nem e Cahê. T: Raul Plasmann.



Últimas Notícias

Torcida

Colecionadores da nossa paixão

Para alguns torcedores atleticanos, não basta apenas vestir a camisa por amor. É preciso guardar algumas, centenas delas num acervo particular, em coleções prá lá…

Torcida

As histórias por trás dos acervos

Cada colecionador é, de certa forma, guardião de um pedaço da história do clube. E cada coleção também acaba criando sua própria história. Nenhuma nasce,…