10 abr 2004 - 19h30

Perdemos a batalha, mas não a guerra

O Atlético não conseguiu manter a vantagem de dois empates na final do Campeonato Paranaense. O Furacão foi derrotado por 2 a 1 pelo o Coritiba e agora precisa vencer o segundo jogo – por qualquer resultado – no próximo domingo na Arena da Baixada. O rubro-negro entrou em campo com um sistema bastante defensivo: três zagueiros e três volantes. A novidade foi a presença de Dagoberto ao lado de Ilan. Washington ficou no banco de reservas.

Com bastantes marcadores, o Atlético povoou o meio-campo e não deixava o Coritiba chegar ao ataque. O Furacão explorava os contra ataques, mas Dagoberto, bem marcado, não conseguia concluir com sucesso. A vantagem do empate na final começou a passar para o lado rival quando Vanderson foi expulso logo aos 15 minutos. Ele deu uma cotovelada em Rodrigo Batata e levou o vermelho. Mário Sérgio sacou Jadson e tratou de colocar mais um volante em campo: Valnei.

Enquanto a pressão do Coritiba aumentava, Ilan e Dagoberto buscavam o jogo mais no meio-campo, já que o principal homem de criação do Atlético foi substituído. Enquanto isso os coxas chegavam mais perto do gol.

E foi ao 33 minutos que Aristizábal marcou o primeiro. Ele recebeu um cruzamento do lateral-esquerda Adriano e chutou por cima de Diego, que não pôde fazer absolutamente nada. A principal chance do empate saiu com Ilan. Ele tentou desviar a bola de Fernando, mas Miranda tirou a bola que lentamente iria para o gol.

Segundo Tempo

Nos vestiários Mário Sérgio mudou a postura do Atlético. Colocou Fernandinho no lugar de Alessandro Lopes e viu o time melhorar muito de produção. Mesmo com dez em campo o Furacão tinha o domínio da partida e encurralou o Coritiba no campo defensivo.

Aos 16 minutos aconteceu o empate. Cruzamento de Marcão e Igor, livre na área adversária, cabeceou para fazer o segundo gol dele no Campeonato Paranaense. Pouco tempo depois, William, que entrou no lugar de Ramalho, chutou cruzado. A bola passou raspando a trave e por pouco o Atlético não virou.

O ritmo não foi mantido e o rubro-negro passou a adotar a mesma tática do primeiro tempo, que foi a de jogar nos contra ataques. O Coritiba começou a gostar do jogo e foi pra cima. Numa jogada pela esquerda, Luis Mário driblou Valnei e chutou forte no ângulo de Diego.

A principal chance do empate veio com Marcão, aos 42. Ele cabeceou e Fernando fez uma boa defesa. Com a derrota o Atlético perdeu uma invencibilidade de 19 partidas sob o comando de Mário Sérgio e agora precisa do apoio da torcida para lotar a Arena da Baixada no segundo jogo. Só a vitória interessa.

1º partida – Final – Paranaense – (10/04/04) – Coritiba 2 x 1 Atlético
L: Couto Pereira; A: Heber Roberto Lopes (PR); CA: Miranda, Jucemar, Adriano, Pepo, Márcio Egídio, Ramalho e Valnei; CV: Vanderson; P: 30.169; R: R$ 330.169,00; G: Aristizábal, aos 33 do 1°; Igor, aos 16, e Luis Mário, aos 29 do 2º.

CORITIBA: Fernando; Jucemar, Miranda, Reginaldo Nascimento e Adriano; Ataliba, Márcio Egídio (Pepo), Capixaba (Igor) e Rodrigo Batatinha; Luís Mário (André Nunes) e Aristizábal. T: Antônio Lopes.

ATLÉTICO: Diego; Alessandro Lopes (Fernandinho), Marinho e Igor; Ramalho (William), Alan Bahia, Vanderson, Jadson (Valnei) e Marcão; Ilan e Dagoberto. T: Mário Sérgio.



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…

Fala, Atleticano

Planejamento

Alguns equívocos sucederam a saída de Thiago Nunes da equipe principal, razão pela qual da queda brutal no desempenho em campo, este recuperado parcialmente para…

Fala, Atleticano

O pior Atletiba que eu vi

Olha, foi “tenso” assistir o Clássico… Sóbrio , ver o jogo, nem pensar… Jesus, que “Show de Horrores” !!!! Uma equipe, tentando jogar apesar de…