18 abr 2004 - 19h42

Opinião de Sérgio Tavares Filho

Leia a opinião de Sérgio Tavares Filho

Uma bomba no pé

Ainda no começo do segundo tempo, comentei com o Marçal Justen Neto que se o Atlético levasse o terceiro gol, não teria poder de reação. Batemos três vezes na madeira (a bancada destinada ao pessoal da imprensa, antes que algum torcedor comece a imaginar onde encontramos um pedaço de pau), só que a simpatia não deu certo. Quando Tuta marcou o gol de empate, senti que não era o nosso dia.

Confesso que fiquei confiante com a virada e com o gol do zagueiro Igor. Aliás, quem não ficou confiante? Acho que apenas Mário Sérgio, que inventou mais uma das suas idéias e sacou o jovem talento Jadson do time para a entrada de André Luiz. Se a intenção era a de explorar mais o setor direito, o próprio Fernandinho deveria de ser substituído, nunca o nosso maestro.

Não posso concordar que Jadson estava cansado, ou que sentiu o peso da camisa no segundo tempo. Balela. O Atlético estava muito bem armado e conseguia deter as ações do Coritiba. Só faltou a vontade e a criatividade que mostramos na primeira etapa.

Fui um dos defensores do Mário Sérgio no comando do nosso Furacão. Pode parecer fácil criticá-lo após a sua demissão, mas o ambiente dentro do Atlético precisava de mudanças. Era nítido o descontentamento de alguns jogadores dentro do clube. Ou o internauta não concorda que a atitude de Washington, em peitar o treinador dizendo que não iria sair de campo, é normal?

Mário ficou 19 partidas invicto mas nunca agradou a grande massa. Depois do empate de hoje deve voltar a São Paulo bem tranqüilo. Enquanto isso, mais de um milhão de rubro-negros lamentam um empate com um gosto pra lá de amargo.

Sérgio Tavares Filho
Editor e colunista da Furacao.com

O conteúdo da opinião acima é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não expressa necessariamente a opinião dos integrantes do site Furacao.com.

Entre em contato.



Últimas Notícias

Opinião

Um Athletico! Uma vida!

E lá se vão 49 anos. Isso aí, 49! Ano do Furacão! E como vivi esse Athetico! E como estou vivendo, feliz e não menos…