19 abr 2004 - 17h09

O fim da Era Mário Sérgio

De salvador a carrasco. É assim que se pode resumir a “Era Mário Sérgio” no comando do Atlético. Mário Sérgio Pontes de Paiva chegou ao clube em 04 de agosto de 2003, no início do segundo turno do Campeonato Brasileiro. Apesar de não trazer na bagagem nenhum título como treinador, tinha no currículo uma boa passagem no próprio Atlético em 2001, quando estruturou o time campeão brasileiro.

Apoiado por grande parte da torcida (52% dos participantes da enquete da Furacao.com votaram nele para substituto de Vadão), Mário veio com o objetivo de livrar o clube do fantasma do rebaixamento. O Atlético fazia uma campanha fraca no Brasileirão e figurava na ponta de baixo na tabela. 259 dias depois de desembarcar no CT do Caju, deixou o Atlético sendo apontado pelos torcedores como o maior responsável pela perda do título Paranaense. Uma despedida com sabor amargo.

Em oito meses no comando do Atlético, Mário Sérgio dirigiu a equipe em 39 jogos, com 21 vitórias, 9 empates e 9 derrotas, num aproveitamento de 53,84%. O time marcou 78 gols e sofreu 52, com saldo de 26.

Na sua segunda passagem pelo Furacão, Mário decidiu valorizar a disciplina e o profissionalismo. Não permitiu que nenhum jogador chegasse atrasado das férias e só escalava no time quem treinava durante toda a semana. Pelo estilo rigoroso, precisou driblar vários problemas extra-campo, com jogadores, torcedores e, principalmente, com a imprensa. O casamento que parecia ir bem até o início do ano começou a se abalar no dia 21 de janeiro, na estréia do time na temporada 2004, quando parte da torcida vaiou a entrada do meia Fabrício e Mário Sérgio ficou extremamente revoltado. A segunda crise aconteceu com o ídolo do time Adriano, que se desentendeu com o treinador. Apesar das turbulências, Mário contava com o aval da diretoria e sentia-se seguro no cargo.

Mas, com tamanhos desentendimentos, não demorou para que o treinador começasse a ser questionado pela torcida – apesar da boa campanha no Campeonato Paranaense. As críticas passaram a ser mais freqüentes após a quarta rodada, quando o Atlético deixou escapar a vitória no clássico Atletiba nos minutos finais.

Na última semana, a crise de fato explodiu. Mário denunciou um esquema por parte da imprensa tentando derrubá-lo. O torcedor, por sua vez, não poupou críticas ao treinador, acusado de utilizar um esquema “covarde e defensivo” na primeira partida da decisão do Estadual. O empate com o Coritiba na Arena e a perda do título do Paranaense 2004 foi apenas o desfecho de uma história que já dava mostras que estava se encerrando. Foi o triste fim de uma morte já anunciada.

TRAJETÓRIA

06/08/2003 – Atlético 1 x 0 Paraná
Uma estréia com o pé direito. Na arrancada do segundo turno do Brasileiro, o Atlético venceu o clássico contra o Paraná, com gol do zagueiro Rogério Corrêa. Boa parte da torcida considerou o técnico Mário Sérgio o responsável direto pela vitória (56% dos participantes da enquete da Furacao.com).

16/08/2003 – Atlético-MG 1 x 2 Atlético-PR
Na 26ª rodada do Brasileiro, o Atlético enfim conseguiu a primeira vitória fora da Baixada. Em tarde inspirada, Alex Mineiro marcou os dois gols do Furacão. Definitivamente, o esquema adotado por Mário Sérgio caía nas graças da torcida.

01/11/2003 – Atlético 1 x 0 São Caetano
Objetivo cumprido: a vitória sobre o Azulão afastou de vez o risco de rebaixamento. A partir daí, mesmo tendo remotas chances de classificação para a Copa Sul-Americana, Mário Sérgio optou por fazer experiências visando a temporada 2004. Uma decisão que não agradou a muitos torcedores.

14/12/2003 – Paysandu 2 x 2 Atlético
Antes do jogo, Mário Sérgio previu que o Atlético seria goleado. Dentro de campo, o time arrancou um empate e o Atlético amargou a modesta 12ª colocação no Brasileirão, não conseguindo se classificar para a Sul-Americana. Nesse momento, a diretoria e o treinador adotaram o discurso das promessas de um grande time para a temporada de 2004.

01/02/2004 – Coritiba 1 x 1 Atlético
Mesmo estando vencendo o jogo por 1 a 0 até os 43′ do segundo tempo, o Atlético não conseguiu garantir a vitória no primeiro Atletiba do ano. Alguns torcedores chegaram a culpar a postura defensiva do time no segundo tempo como causa do empate. Começaram as críticas mais freqüentes ao trabalho de Mário Sérgio.

10/04/2004 – Coritiba 2 x 1 Atlético
Depois de uma invencibilidade de cinco meses (ou 19 jogos), o Atlético perdeu a primeira partida da decisão do Campeonato Paranaense. Torcedores e imprensa elegeram o esquema tático adotado por Mário Sérgio como o principal responsável pela derrota no Atletiba. No jogo, o treinador deixou no banco o artilheiro Washington e apostou todas as fichas no contra-ataque em velocidade, enchendo o time de zagueiros e volantes. Não deu certo.

18/04/2004 – Atlético 3 x 3 Coritiba
O empate no segundo jogo da final deu o título ao adversário, quebrando um tabu de 26 anos que o Atlético não perdia para o Coritiba em decisões do Campeonato Paranaense. Mais uma vez, Mário Sérgio foi apontado como vilão, por ter sacado o meia Jadson, principal articulador das jogadas ofensivas do time. Alegando desgaste no trabalho, Mário Sérgio pediu demissão do clube.

Reportagem: Patricia Bahr, do Conteúdo da Furacao.com



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Insanidade

Louva-se o posicionamento do CAP em relação à atitude insana, egoísta e manipuladora do Flamengo, que chegou ao ponto de utilizar-se da peste alcançar seus…

Camisa preta edição especial.

Opinião

Viva a revolução!

Eu sou corneta. Confesso! Se o time vai mal, sou o primeiro a reclamar. Se o time vai bem, tem que melhorar. Se ganhou de…

Notícias

A evolução do Athletico

É inegável a evolução do rubro-negro. Desde a mudança no comando técnico, o Furacão vem evoluindo a cada jogo. Atualmente acumula quatro vitórias consecutivas. Além…