25 abr 2004 - 21h48

Apenas Petraglia participou da coletiva

O presidente do Conselho Deliberativo do Atlético, Mario Celso Petraglia, tentou explicar o mau momento enfrentado pelo clube no início do Campeonato Brasileiro.

Na entrevista coletiva após o jogo, o dirigente mostrou-se bastante abatido pelos maus resultados obtidos em campo. Petraglia garantiu trabalhar para transformar o Atlético “no maior clube do Brasil”. Confira os principais momentos da entrevista:

Novo treinador
“Estamos trabalhando, tivemos várias reuniões com possíveis candidatos. Mas, infelizmente, ainda não temos um nome para apresentar aos torcedores. Fizemos vários contatos, mas não teremos uma solução até amanhã para a contratação do nosso técnico”.

Geninho
“O Geninho está empregado, está trabalhando. Nós não temos por hábito fazer propostas para quem está trabalhando, é uma falta de ética, o Atlético não faria isso”.

Zetti
“O Zetti foi uma das alternativas, mas ele entendeu que ainda está no início de carreira e que seria um salto muito grande ele sair do Paulista de Jundiaí e ir para o Atlético. Ele ficou um pouco receoso e se mostrou interessado em trabalhar com a gente mais para a frente”.

Vadão e Bahia
“Estivemos com o técnico Vadão e com toda a diretoria do Bahia. Eles querem uma parceria com o Atlético para tentar voltar para a 1ª divisão. Conversamos sobre uma possível ida de alguns atletas, que o Atlético poderá emprestar ao Bahia”.

R$30,00 e protestos
“Eu levei novamente ao Conselho, pela reação da torcida, e o Conselho decidiu pela permanência do valor. O ingresso a trinta reais é só para quem compra o jogo avulso. Agora, se a torcida não vir, se a torcida entender em boicotar, se a torcida continuar vaiando o time, fazer festa quando o Atlético perder, sinceramente, não entendo essa paixão de torcer contra”.

Reforços
“É muito prematuro, em duas semanas perdemos nossa invencibilidade, o campeonato e duas partidas que tínhamos obrigação de vencer. Vamos refletir e fazer como sempre fizemos aqui no Atlético, com análise. Esse é um momento que nós, responsáveis pelo Atlético, devemos ter tranqüilidade, não tentar resolver a situação com a cabeça quente”.

Providências imediatas
“Você só sabe que errou quando os resultados não vêm. O futebol só tem uma máxima: vencer. Quando você vence, você é o melhor. Quando você perde é o maior imbecil. Nós não temos a resposta. Que existem erros, nós sabemos. Agora, vamos buscar a solução”.

Futuro do Atlético
“Desde que chegamos, projetamos um Atlético vitorioso, vencedor. Temos a nossa consciência tranqüila e vamos continuar trabalhando para dar a volta por cima. Tenho absoluta certeza e profunda convicção de que o Atlético será o maior clube do Brasil. Não se consegue tudo de um dia para o outro. Nesses 9 anos, muita coisa foi feita. Hoje o Atlético é respeitado. É um momento difícil, com necessidade de uma profunda reflexão para que a gente corrija e retome a caminhada de vitórias, a caminhada de conquistas”.



Últimas Notícias

Libertadores

É bom rever você, Walter!

Foram necessários apenas oito minutos em campo contra o Jorge Wilstermann e um único chute a gol para uma história ser coroada com choro, abraços…