29 abr 2004 - 11h26

Marcus Coelho: “A hora é de ajudar”

Nesta semana surgiu a informação de que o ex-presidente campeão brasileiro, Marcus Coelho, poderia estar voltando ao Atlético na condição de diretor de futebol. A derrota em casa para o Figueirense deixou a torcida preocupada e gerou boatos de que serão realizadas mudanças profundas no departamento de futebol. Para esclarecer as dúvidas dos torcedores, a Furacao.com conversou com o ex-dirigente, que garantiu o apoio aos atuais comandantes do clube, João Augusto Fleury da Rocha e Mário Celso Petraglia. “Agora é hora de união. Nós não podemos deixar o clima dentro do Atlético mais tenso”. Confira a entrevista exclusiva:

O que há de verdade no seu retorno ao Atlético? Alguns jornais noticiaram que o senhor assumiria a direção de futebol.
Isso não é verdade. Realmente procurei o Mário Celso após a partida contra o Figueirense, disse o que pensava e me ofereci para ajudar naquilo que fosse possível. Ele foi muito gentil e agradeceu a minha preocupação.

Então o senhor volta como dirigente?
Não. Eu tenho compromissos particulares que impedem a minha volta ao futebol e ainda me sinto com uma grande ressaca do período em que dirigi o Atlético. Tudo o que vivi foi maravilhoso mas também houve um desgaste enorme da minha parte.

E como o senhor pretende ajudar, então?
Eu sou muito amigo do Fleury e depois de muito tempo voltei a falar com o Petraglia. A situação que o clube se encontra hoje é muito triste. A torcida não pode se afastar nem o Atlético pode deixar de ganhar dinheiro. Os dois lados tem razão na questão do ingresso. A manutenção da Arena, do CT, das categorias de base, dos funcionários é tudo muito caro. Só que também não podemos deixar que o nosso torcedor crie antipatia por causa dessa situação. Eu ajudo no que for preciso, ainda não sei como, mas do lado de fora. Não é o momento de voltar.

Então se houvesse o convite para retornar ao futebol o senhor não voltaria?
No atual momento não. Só que eu nunca descartei a possibilidade de voltar ao Atlético no futuro.



Últimas Notícias

Opinião

Um Athletico! Uma vida!

E lá se vão 49 anos. Isso aí, 49! Ano do Furacão! E como vivi esse Athetico! E como estou vivendo, feliz e não menos…